seu bolso

E-Investidor: O passo a passo para montar uma reserva de emergência

Brasil conquista 15 leões no Festival de Publicidade de Cannes

O Brasil conquistou hoje 15 leões no 49º Festival Internacional de Publicidade de Cannes na categoria de peças impressas, classificada de Press & Outdoor. Foram quatro leões de ouro, seis de prata e cinco de bronze. O Grand Prix de impresso, que é o prêmio máximo da categoria, foi conquistado pela inglesa Saatchi & Saatchi, de Londres, com campanha irreverente criada para o Club 18-30, onde situações normais de praia, bar e piscina simulam erotismo. Essa agência de publicidade que conquistou o prêmio de melhor do ano em 1996, tem tradição na categoria e saiu na frente inclusive das brasileiras. O Brasil e os Estados Unidos, no entanto, foram os países com maior número de leões, 15 para cada um, seguidos da Inglaterra, com 12 leões, dos quais sete de ouro.Já o Grand Prix da categoria Outdoor, criado este ano e patrocinado pela JC Decaux, foi para os noruegueses da Leo Burnett com peças criadas para Oslo Piercing Studio, que mostra pessoas dependuradas nos outdoor por seus próprios piercings. Uma situação inusitada como a da maioria das peças vencedoras.O trio brasileiro que disputou na categoria Young Creatives acabou conquistando o Grand Prix de Cyber Lyon, mas o de impresso foi parar na Finlândia. Thiago Tripodi, da Agência Click, ficou feliz da vida com o resultado e teve o apoio de Theo Rocha (NewcommBates) e Vinicius Mike (Lowe), que ajudaram na criação de campanha contra o desperdício de água no mundo.Entre os leões de ouro conquistado pelo País está o da Almap/BBDO para Mizuno da São Paulo Alpargatas, que com a série quadril, pé, joelho e espinha dorsal mostra a qualidade do tênis para amortecer impactos. A Giovanni/FCB também conquistou ouro para peça publicitária criada para Izzo Motors que mostra o tratado da Independência americana e numa última linha fina a expressão: Em outras palavras, Harley-Davidson. A DPZ conquistou um leão de ouro com a campanha embalagem para o lubrificante KY, da Johnson & Johnson. O quarto leão de ouro do País foi para a Lew, Lara com campanha contra a devastação das florestas, um tema brasileiro que aqui sempre faz sucesso.Uma peça publicitária de forte impacto, criada pela inglesa BMP/DDB para a rede de varejo Harvey Nichols, em que mulheres aparecem machucadas, com os belos produtos que compraram numa liquidação e que era forte concorrente, foi eliminada pelo júri. Motivo: a Giovanni/FCB exibiu campanha semelhante para a rede de supermercados Sendas, em que depois de uma liquidação as mulheres aparecem numa foto aos frangalhos. Os dois representantes do País no júri, os criadores Roberto Lautert (Talent) e José Henrique Borghi (Leo Burnett) explicaram que a opção dos jurados foi a de eliminar peças similares porque não haveria como verificar qual foi criada ou veiculada primeiro. Ou seja, a discussão seria similar a de quem nasceu primeiro, o ovo ou a galinha.Na categoria Media Lions, que premia os melhores projetos de mídia, aqueles que as agências desenvolvem com veículos de comunicação, o Brasil ganhou dois leões. Um para a Lew,Lara que criou campanha para comemorar os 129 anos da Comgás e divulgar as vantagens do gás natural com canos, mostrando a expansão da empresa paulista, atravessando várias páginas de jornal com a mensagem institucional no fim. Já a McCann-Erickson conquistou com o outdoor iluminado, usando bateria Delco, o anunciante, durante o racionamento de energia no País. Nessa categoria não há distinção de ouro, prata e bronze.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.