Brasil consome 10% da ajuda do FMI em outubro, diz jornal argentino

A queda nas reservas internacionais do Banco Central brasileiro e o atentado frustrado contra a Bolsa de São Paulo são destaques na imprensa argentina, tirando de cena a disputa eleitoral. O El Cronista dá chamada de capa para "Brasil consumiu em outubro 10% da ajuda total do FMI". O jornal diz que a instabilidade política produziu um efeito "devastador" nas reservas brasileiras e que em outubro, o BC perdeu US$ 3,026 bilhões," a mesma cifra que o FMI antecipou em setembro e que representa 10% do pacote de US$ 30 bilhões". O El Cronista destaca que as reservas caíram 8% em outubro e que "está custando caro manter a cotação do dólar e a inflação sobre controle". Também ressalta que a queda das reservas não se deve somente a isso mas também ao fato do BC "estar usando seus dólares para cancelar dívidas que os investidores não estão dispostos a renovar". O Ámbito Financiero intitula: "Brasil, reservas caem ao mínimo em 7 anos" e diz que "as reservas internacionais líquidas do Brasil caíram ao seu nível mais baixo desde 1995, quando o presidente Fernando Henrique Cardoso iniciou seu primeiro mandato de quatro anos". Ambos jornais econômicos destacam o rebaixamento da qualificação da Fitch e o aumento do dólar.Ambos, além do Clarín, do La Nación, e do Página 12 publicam matéria sobre a maleta com 30 quilos de explosivos num carro para, supostamente, explodir a Bolsa de São Paulo. O Página 12 intitulou "Uma estranha bomba. Um plano contra a Bolsa Paulista", numa matéria que liga o fato às eleições. O Página diz que apesar da clara vantagem de Lula sobre Serra, nas pesquisas, "às vezes os aliados do candidato do PT podem fazer campanha a favor de Serra: o ex-candidato Ciro Gomes, que apoiou o Lula publicamente, disse ter medo de que ele se pareça com De la Rúa na Argentina". O jornal chama para o detalhe de que Serra está explorando esta declaração em sua campanha.O Clarín publica matéria de página sobre atentado frustrado e outra meia página sobre as críticas que os candidatos brasileiros fazem sobre a Argentina. "A Argentina, outra vez na campanha", diz o título da matéria que diz que "caiu mal o uso do drama nacional como argumento do candidato oficialista José Serra para combater seu adversário, Luiz Inácio Lula da Silva". Clarín cita que "Serra comparou seu adversário com o ex-presidente Fernando de la Rúa" e lembra diversas situações de comparações de desprezo feitas por políticos brasileiros contra a Argentina e vice-versa. Ainda no Clarín, o ex-presidente Raúl Alfonsín criticou as campanhas eleitorais no Brasil, "baseadas na situação política da Argentina". Alfonsín disse que "é importante que no Brasil, nenhum candidato recorra a falsos exemplos do que ocorre nos países irmãos porque isso agride o povo e a democracia e fere a unidade latino-americana e o fortalecimento do Mercosul". No La Nación, a matéria é sobre a bomba: "O crime organizado planejava voar a Bolsa de São Paulo", na qual narra os fatos relacionados ao assunto.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.