Brasil crescerá 3,5% em 2007, diz consultoria

A economia do Brasil deve crescer 3,5% no ano de 2007, de acordo com as previsões da consultoria britânica Economist Intelligence Unit (EIU), que publicou nesta terça-feira uma revisão do seu relatório sobre o crescimento econômico mundial. De acordo com a consultoria, "o ímpeto do setor externo deve esmorecer, mas a demanda interna começará a desempenhar um papel significante no estímulo da economia".O consumo também deve ser impulsionado por uma expansão do crédito e um crescimento real da renda, que vem aumentando "significativamente" desde 2003, segundo a EIU.Os analistas prevêem ainda que taxas de juros mais baixas devem incentivar o consumo de bens duráveis nos grupos de mais alta renda, enquanto aumentos no salário mínimo devem levar a uma melhora na renda da "maioria pobre".De acordo com a consultoria, os investimentos nos setores público e privado também devem ganhar fôlego. Melhora marcante O relatório cita também uma "melhora marcante" na situação macroeconômica e financeira do país nos últimos anos. A política econômica e monetária do governo brasileiro é elogiada por "conduzir mais à estabilidade de longo prazo" e por atacar a inflação, enquanto a política fiscal teria "buscado administrar a dívida pública (em vez de priorizar o crescimento econômico)"."Na carona da melhora da situação fiscal, a vulnerabilidade aos choques externos foi reduzida pelo pagamento adiantado de parcelas da dívida do Fundo Monetário Internacional (FMI) e do clube de Paris, que deixaram o país livre da dívida pela primeira vez em mais de uma década."A EIU lembra também que o governo brasileiro está envolvido em um programa "agressivo" de compra de títulos da dívida externa que "deve aliviar muito o ônus do pagamento entre 2007-10, além de reduzir a vulnerabilidade do país a variações de câmbio e de taxas de juros".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.