Nilson Fukuda/Estadão
Nilson Fukuda/Estadão

Brasil cria 253 mil empregos formais em outubro

Apesar de positivo, resultado representa piora na relação com outubro do ano passado, quando foram abertas 366.295 vagas formais

Eduardo Rodrigues e Thaís Barcellos, O Estado de S.Paulo

30 de novembro de 2021 | 16h13

BRASÍLIA - A economia brasileira criou 253.083 empregos com carteira assinada em outubro, segundo informações do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) divulgados nesta terça-feira, 30, pelo Ministério do Trabalho e Previdência.

O resultado do mês passado decorreu de 1,760 milhão de admissões e 1,507 milhão de demissões. Em outubro de 2020, houve abertura de 366.295 vagas com carteira assinada. 

O mercado financeiro já esperava um novo avanço no emprego no mês, e o resultado veio dentro do intervalo das estimativas de analistas consultados pelo Projeções Broadcast. As projeções eram de abertura líquida de 206.121 a 470.065 vagas em outubro, com a maioria com previsão de 260 mil postos de trabalho.

No acumulado dos dez primeiros meses de 2021, o saldo do Caged já é positivo em 2,645 milhões de vagas. No mesmo período do ano passado, houve destruição líquida de 278.997 postos formais.

Apesar de positivo, o resultado representa piora na relação com outubro do ano passado, quando foram abertas 366.295 vagas formais. Esse também é o pior resultado mensal desde abril deste ano, momento em que foram criados 82.188 empregos com carteira assinada.

A comparação dos números com anos anteriores a 2020, segundo analistas, não é mais adequada porque o governo mudou a metodologia no início do ano passado.

De acordo com o ministério, 1,913 milhão de trabalhadores seguiam com garantia provisória de emprego em outubro graças às adesões ao Programa Emergencial de Manutenção do Emprego e da Renda (BEm). Para cada mês de suspensão ou redução de jornada pelo programa, o trabalhador tem o mesmo período de proteção à sua vaga. O programa foi relançado em abril pelo governo por mais quatro meses neste ano.

Desde janeiro do ano passado, o uso do Sistema do Caged foi substituído pelo Sistema de Escrituração Digital das Obrigações Fiscais, Previdenciárias e Trabalhistas (eSocial) para as empresas, o que traz diferenças na comparação com resultados dos anos anteriores. Na metodologia anterior (de 1992 a 2019), o melhor resultado para outubro na série sem ajustes havia sido em 2009, quando foram criadas 230.956 vagas no décimo mês do ano. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.