Marcello Casal Jr./Agência Brasil
Marcello Casal Jr./Agência Brasil

Brasil cria 280 mil vagas com carteira assinada em maio, aponta Caged

Segundo dados do Ministério da Economia, este ano o mercado de trabalho formal tem saldo positivo de 1,233 milhão de novos empregos

Eduardo Rodrigues e Lorenna Rodrigues, O Estado de S.Paulo

01 de julho de 2021 | 10h42
Atualizado 01 de julho de 2021 | 11h48

BRASÍLIA - A economia brasileira gerou 280.666 carteiras assinadas em maio, de acordo com os dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) divulgados nesta quinta-feira, 1.º, pelo Ministério da Economia

O resultado decorreu de 1,548 milhão de admissões e 1,268 milhão de demissões. Em maio do ano passado, em meio à primeira onda da pandemia de covid-19 no País, houve fechamento de 373.888 vagas com carteira assinada.

Para o ministro da Economia, Paulo Guedes, o resultado é uma “excelente notícia”. “A economia brasileira continua surpreendendo. Todas as regiões, setores e Estados registrando criação de novos empregos. Ou seja, é um processo bastante abrangente. Setores muito fragilizados, como o serviços, foram destaque nesse mês”, destacou. “Está confirmada recuperação brasileira abrangente. O ritmo está bastante rápido.”

“Esperamos que medidas que vem sendo tomadas pelo governo acelerem processo de criação de emprego. Vem novidades por aí”, acrescentou.

 


O mercado financeiro já esperava um novo avanço no emprego no mês, e o resultado veio dentro do intervalo das estimativas de analistas consultados pelo Projeções Broadcast. As projeções eram de abertura líquida de 71 mil a 362 mil vagas em maio, com a maioria esperando a geração de 157.500 postos de trabalho. 

No acumulado dos cinco primeiros meses de 2021, ao saldo do Caged é positivo em 1,233 milhão vagas. No mesmo período do ano passado, houve destruição líquida de 1,144 milhão postos formais.

Desde janeiro do ano passado, o uso do Sistema do Caged foi substituído pelo Sistema de Escrituração Digital das Obrigações Fiscais, Previdenciárias e Trabalhistas (eSocial) para as empresas, o que traz diferenças na comparação com resultados dos anos anteriores. Na metodologia anterior (de 1992 a 2019), o melhor resultado para maio na série sem ajustes havia sido em 2010, quando foram criadas 298.041 mil vagas no quinto mês do ano

O Caged trata apenas do mercado formal, com carteira. Porém, o mercado de trabalho brasileiro é formado, na sua maior parte, pelo trabalho informal - daí a diferença com os números do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatítica (IBGE), que, na quarta-feira, 30, divulgou que a taxa de desemprego se manteve no patamar recorde de 14,7%.

O número de geração de vagas formais também está sob o impacto do programa do governo que permitiu às empresas cortarem salários e jornadas e suspenderem os contratos. Como contrapartida, o governo dificultou as demissões pelo mesmo número de meses em que os trabalhadores foram atingidos com uma das duas possibilidades (a da redução na jornada e salário ou a da suspensão dos contratos).

De acordo com o ministério, 3,485 milhões de trabalhadores seguiam com garantia provisória de emprego em maio. Para cada mês de suspensão ou redução de jornada no ano passado, o trabalhador tem o mesmo período de proteção à sua vaga.

Setores e regiões

O setor de serviços foi novamente o que mais gerou vagas em maio, com a criação de 110.956 postos formais, seguido pelo comércio, que abriu 60.480 vagas.

indústria geral abriu 44.146 vagas em maio, enquanto houve um saldo de 42.526 contratações na agropecuária. Na construção civil, foram criadas 22.611 vagas no mês.

No quinto mês do ano, todas as 27 unidades da federação tiveram resultado positivo. O melhor resultado foi registrado em São Paulo novamente, com a abertura de 104.707 postos de trabalho. O pior desempenho foi o de Roraima, com criação de 256 vagas.

O salário médio de admissão nos empregos com carteira assinada passou de R$ 1.873,33, em abril, para R$ 1.797,10 em maio.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.