Brasil cria recorde de 1 milhão de empregos formais até maio

Ministro do Trabalho adianta números e diz que taxa de desemprego no País será reduzida para 8% em 2008

Jamil Chade, de O Estado de S. Paulo,

09 de junho de 2008 | 14h58

Um número recorde de postos de trabalho foram criados no Brasil entre janeiro e maio deste ano. Dados preliminares do Ministério do Trabalho indicam que 1 milhão de empregos formais foram gerados nos primeiros cinco meses do ano. "Esse é um número recorde e, teremos, até o fim do ano, o desemprego sendo reduzido para uma taxa de 8%", garantiu o ministro do Trabalho, Carlos Lupi.  Veja também:Emprego na indústria cresce 2,7% em 12 meses, aponta IBGE Segundo ele, o ano deve fechar com a criação de 1,8 milhão de empregos. "Em 2007, tivemos 1,6 milhões. Neste ano, vamos superar a marca", disse Lupi. Para o ministro, um dos fatores de crescimento do emprego tem sido a contratação de pessoas que estavam na informalidade. "Há dez anos, 60% das pessoas que trabalhavam estavam na informalidade. Hoje, essa taxa caiu para 52%, contra 48% na formalidade. A taxa ainda não é ideal, mas a tendência é positiva", afirmou.  Quanto à taxa de desemprego, Lupi aposta em uma redução dos atuais 8,7% para 8% até o final do ano. "Entre 2003 e 2007, criamos 8 milhões de postos de trabalho e em 2008 o ritmo será ainda mais intenso", afirmou. Exterior Além da geração de empregos no País, Lupi afirma estar preocupado com a situação dos trabalhadores brasileiros no exterior. No próximo dia 20, o ministro irá inaugurar o primeiro escritório de atendimento aos brasileiros no exterior para que possam ser informados de seus direitos, para que façam denúncias de exploração e regularizem sua situação. O primeiro escritório será inaugurado na fronteira entre o Brasil e o Paraguai, em Foz de Iguaçu (PR). "O objetivo será o de servir os 'brasiguaios' que trabalham do lado paraguaio da fronteira", afirmou Lupi.   Segundo ele, as denúncias de exploração de brasileiros na região é grande. Escritórios de apoio aos trabalhadores ainda serão criados nos Estados Unidos, Japão e Espanha. Lupi, porém, garante que a agência não irá questionar os trabalhadores brasileiros sobre a legalidade de seus vistos. "Não vamos ser polícia", garantiu.

Tudo o que sabemos sobre:
Emprego

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.