Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Brasil defende debate sobre desenvolvimento rural na OMC

O ministro do Desenvolvimento Agrário, Miguel Rosseto, disse que sua participação na delegação brasileira na 5ª reunião ministerial da Organização Mundial de Comercio (OMC), em Cancún, visa a contribuir para que o tema do desenvolvimento rural seja incluído na agenda dos países em desenvolvimento, reunidos no G-21, que reivindica o fim dos subsídios e barreiras agrícolas pelos países ricos."O Brasil, que tem liderança importante no G-21, incorporou o tema do desenvolvimento rural na agenda mais ampla de questões comerciais", disse Rosseto à Agência Estado. "Uma estratégia de inclusão social precisa abordar a questão da pobreza no campo, que é uma parcela grande da população". Segundo ele, o fim dos subsídios a exportação de produtos agrícolas faz parte do desenvolvimento rural, pois prejudica a economia dos países mais pobres. "O Brasil tem mais de 14 milhões de produtores agrícolas, que dependem de um avanço desses temas agrícolas e que afetam a população mais pobre no campo", disse.Ele participou hoje, juntamente com os ministros da Agricultura, Roberto Rodrigues, e da Relações Exteriores, Celso Amorim, de mais uma reunião do G-21, para tentar encontrar alternativas entre os textos do países em desenvolvimento e os países ricos sobre a abertura agrícola. Segundo Rosseto, não se avançou muito.

Agencia Estado,

10 de setembro de 2003 | 15h32

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.