Brasil defende no FMI linha de crédito emergencial

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, informou hoje que o Brasil vem defendendo junto ao Fundo Monetário Internacional (FMI) a criação de uma linha de crédito emergencial para países em necessidade. Segundo Mantega, o mecanismo facilitaria o saque de recursos sem necessidade da carta de intenções que era utilizada no passado.Mantega comparou o instrumento a um cheque especial, mas, para ter acesso à linha, o país teria de cumprir determinados requisitos, como possuir um bom equilíbrio fiscal. O ministro destacou que o Brasil "evidentemente" não é alvo desta linha de crédito, aproveitando para destacar "a situação favorável da País". Mantega acrescentou que o diretor-gerente do FMI, Dominique Strauss-Khan, tem "certa simpatia" pelo instrumento.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.