Brasil defenderá calendário para Alca em Quito, diz Lafer

O ministro das Relações Exteriores, Celso Lafer, informou hoje que o Brasil defenderá, durante a próxima reunião da Alca, em Quito, a manutenção do calendário de negociação, segundo o qual os entendimentos seriam concluídos até o final de 2004 e a área de livre comércio começaria a vigorar no início de 2005. Segundo o chanceler, que esteve reunido com o ministro do Desenvolvimento, Sérgio Amaral, para discutir o asssunto, a preocupação da equipe brasileira é preservar as margens de autonomia do próximo governo."Sempre foi uma preocupação nossa a de deixar espaço para o próximo governo fazer as suas avaliações", disse ele, ao reforçar a posição brasileira contrária à antecipação do calendário da Alca. Lafer disse ainda que o governo brasileiro, durante a reunião, insistirá em temas importantes para o Brasil, como o capítulo agrícola. Segundo ele, o governo quer garantir no conjunto de documentos a serem assinados durante a reunião que todos os assuntos de interesse brasileiro serão tratados no mesmo ritmo que outros temas. Dentro do capítulo que trata de regras, o ministro disse que a preocupação é disciplinar a questão do dumping. Para ele, o dumping é um instrumento legítimo de defesa comercial, mas não pode ser usado de forma abusiva por países desenvolvidos, como no caso das barreiras aplicadas pelos Estados Unidos no setor siderúgico. Segundo Lafer, para o Brasil é importante que a discussão sobre o processo da Alca envolva todos os países do bloco econômico e não aconteça de forma bilateral.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.