bolsa

E-Investidor: Itaúsa, Petrobras e Via Varejo são as ações queridinhas do brasileiro

Brasil deixa de ser lanterna dos Brics, diz IBGE

Após ficar na lanterna dos países do grupo Brics (que inclui ainda a Rússia, Índia, China e África do Sul) no ano passado, o Brasil fechou o primeiro trimestre de 2013 com um desempenho melhor. O Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro subiu 1,9% ante o mesmo trimestre do ano anterior - mesmo porcentual apurado pela África do Sul -, superando a Rússia (1,6%) e atrás apenas da China (7,7%). A Índia só divulgará os dados de suas contas nacionais na sexta-feira, 1º de junho.

FERNANDA NUNES, MÔNICA CIARELLI, MARIANA DURÃO E VINÍCIUS NEDER, Agencia Estado

29 de maio de 2013 | 12h24

"A curva mostra um movimento recente (dois últimos trimestres) de desaceleração nesses países (China, Rússia e África do Sul), enquanto o Brasil vai na direção oposta", observou a gerente da coordenação de Contas Nacionais do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), Rebeca Palis. Embora a China ainda apresente um crescimento superior à média, uma redução no ritmo de alta do PIB chinês pode ter impactado no desempenho das exportações brasileiras e deve ser observado, alertou Rebeca.

A comparação com países da Europa, Ásia e com os Estados Unidos foi feita em relação ao trimestre imediatamente anterior, base em que o Brasil cresceu 0,6%. As economias europeias continuaram apresentando desempenho pífio. A União Europeia como um todo teve recessão de 0,1%.

Na lista analisada pelo IBGE, a Alemanha, motor da economia da Europa, mostrou crescimento de apenas 0,1%. O PIB foi negativo para a França (-0,2%), Portugal (-0,3%), Itália (-0,5%), Espanha (-0,5%). O Reino Unido cresceu 0,3% de janeiro a março.

Os Estados Unidos registraram uma alta de 0,6% no PIB, resultado semelhante ao brasileiro. Na Ásia, a economia da Coreia do Sul e a japonesa, que vem adotando uma política expansionista, avançaram os mesmos 0,9%.

Tudo o que sabemos sobre:
IBGEPIB1º trimestreBrics

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.