Brasil deve atrair US$ 11 bi em investimentos diretos

O Institute of International Finance (IIF), organismo que reúne os principais bancos privados do mundo, estima que os fluxos de investimentos diretos para o Brasil deverão ficar em torno dos US$ 11 bilhões em 2004. Em seu estudo "Fluxos de capitais para mercados emergentes", divulgado hoje, o IIF afirma que os investidores no Brasil, particularmente dos setores bancário e de empresas de prestação de serviços públicos, têm expressado interesse em aumentar suas fatias de mercado no país.O IIF afirma que a atividade econômica no Brasil neste ano deverá permanecer fraca, com um crescimento de 0,5%. No próximo ano, a recuperação econômica deverá gerar um crescimento de 3,7% do PIB. "O governo brasileiro está totalmente comprometido nos esforços para reconstruir a confiança, e os mercados têm reagido positivamente", disse o IIF. "A disciplina fiscal e as reformas estruturais no país deverão ajudar na melhora do crescimento em 2004." Segundo o IIF, uma queda no ritmo das exportações brasileiras e uma recuperação mais acentuada das importações vão fazer com que a conta corrente do Brasil, que deverá ficar próxima do equilíbrio neste ano, registre um déficit em 2004.O IIF acredita que os investimentos diretos no mercados acionários dos mercados emergentes, que somarão US$ 103 bilhões em 2003, seu nível mais baixo dos últimos sete anos, deverão subir para US$ 119 bilhões em 2004. O instituto calcula que os investimentos diretos estrangeiros na América Latina em 2003 deverão US$ 32 bilhões em 2004, contra US$ 25 bilhões este ano.

Agencia Estado,

21 de setembro de 2003 | 16h31

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.