Brasil deve crescer 4,8% neste ano, avalia OCDE

A Organização para aCooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) estima umcrescimento real de 4,8 por cento para a economia brasileiraneste ano, de acordo com relatório divulgado nestaquinta-feira. "O crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) estáprojetado para atingir 4,8 por cento, em termos reais, em2007... Os investimentos vão crescer mais, ajudando a elevar ocrescimento potencial", afirmou a OCDE em seu relatóriosemestral. Para o próximo ano, a estimativa da OCDE é de umcrescimento de 4,5 por cento para a economia brasileira. Em termos de inflação, as projeções da organização apontampara variações do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo(IPCA) abaixo do centro da meta fixada pelo governo tanto em2007, quanto em 2008. As estimativas indicam uma alta de 3,9 por cento neste anoe de 4 por cento no próximo. Nos dois casos, a meta de inflaçãoé de 4,5 por cento, com margem de flutuação de dois pontospercentuais, para cima ou para baixo. Apesar do cenário positivo, a OCDE destaca alguns riscospara a economia do país. "O risco é que um ambiente mais apertado do crédito globalpossa afetar o apetite por mercados emergentes. Gargalos naoferta doméstica e a possibilidade de repasse dos aumentos depreços no atacado para a inflação (ao consumidor) podem impedirqualquer flexibilização da política (monetária) nos próximosmeses", afirmou a OCDE. Na véspera, o Comitê de Política Monetária (Copom) do BancoCentral manteve, pela segunda vez, a taxa básica de juro dopaís em 11,25 por cento, depois de dois anos consecutivos decorte da Selic. O BC está preocupado com o forte ritmo deatividade econômica do país e com as pressões inflacionárias. A OCDE também destacou que o crescimento dos gastospúblicos no Brasil precisa ser controlado. (Com reportagem adicional de Renato Andrade, em São Paulo)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.