Brasil deve crescer pouco acima de 1% este ano, diz EIU

A consultoria britânica Economist Intelligence Unit (EIU), ao avaliar os prós e contras da redução da Selic ? a taxa de juros básica do Brasil - para 18%, disse que a economia brasileira certamente precisa de estímulo, pois o PIB do País vai crescer "muito pouco acima de 1% neste ano". A consultoria observou, no entanto, que o corte de 50 pontos-base na taxa de juros anunciado na quarta-feira pelo Copom não deverá "fazer muita diferença nos próximos seis meses". Segundo a EIU, o corte da Selic pode não ter ocorrido no momento mais oportuno, "com os investidores nervosos pressionando os mercados brasileiros e com os mercados globais também turbulentos". Além disso, a candidatura de José Serra (PSDB) está caindo ainda mais nas pesquisas. "Mas as autoridades monetárias acreditam que a economia, atualmente em recessão, precisa de um impulso", disse a consultoria. "A redução da taxa também vai diminuir um pouco o crescente fardo de pagamentos da dívida pública." A consultoria salientou que o aperto monetário limitou os investimentos das empresas domésticas e conteve o crescimento do País. Segundo a EIU, o corte na Selic envia uma mensagem de otimismo por parte do governo. "Com a inflação em geral sob controle, eles estão suficientemente confiantes para iniciar novamente a redução das taxas, apesar dos tremores pré-eleitorais", disse a consultoria. "Mas alguns economistas encaram isso como uma decisão irresponsável e com motivos políticos, desenhada para estimular a candidatura de José Serra".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.