Brasil deve manter crescimento de 4,5% em 2008, diz Bird

Relatório do Banco Mundial prevê expansão da economia no mesmo nível de 2007

BBC Brasil, BBC

09 de janeiro de 2008 | 08h20

O Brasil deve ter um crescimento econômico de 4,5% em 2008, com um desempenho praticamente estável em relação a 2007, segundo previsões do Banco Mundial (Bird) publicadas nesta quarta-feira no relatório "Perspectivas Econômicas Globais 2008". O documento também atribui à estabilidade do Brasil uma queda menos acentuada do crescimento da América Latina e do Caribe neste ano, de 5,1%, em 2007, para 4,5% em 2008. "A redução da atividade regional é amparada pelo crescimento forte contínuo no Brasil e por uma recuperação após um fraco 2007 no México, enquanto o crescimento em outros países - principalmente na Argentina e na Venezuela - deve cair", avalia o relatório. Para 2009, o Banco Mundial prevê um crescimento de 4,3% para a América Latina e o Caribe. O Brasil manteria a taxa prevista para 2008: de 4,5%. "Caso estes rendimentos se concretizem, eles representariam a maior fase de crescimento da América Latina e Caribe desde os anos 60", destaca o relatório. Risco de piora nos EUA De acordo com o órgão, até o momento, os países em desenvolvimento têm se revelado relativamente imunes à crise dos mercados financeiros, gerada principalmente por causa da crise de crédito imobiliário nos Estados Unidos. Após uma queda brusca em agosto, os mercados de ações em muitos países em desenvolvimento seguiram com seus fortes resultados positivos. O Bird também observa que "as melhorias registradas (na América Latina e no Caribe) nos últimos anos podem ser suficientes para evitar alguns dos efeitos adversos dos acontecimentos nos Estados Unidos". Por outro lado, o Banco Mundial adverte que uma desaceleração maior nos Estados Unidos pode ter um impacto mais acentuado nos países em desenvolvimento. "Uma desaceleração maior é um risco real, que poderia enfraquecer as perspectivas de médio prazo em países em desenvolvimento", afirma Uri Dadush, do Banco Mundial. Segundo Dadush, países com rendimento médio, como o Brasil, podem ser os mais afetados, tanto por uma redução no comércio como por uma queda no investimento externo.   BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.