Brasil deve receber US$ 17 bi em investimentos em 2005

Após ocupar o terceiro lugar no ranking dos fluxos de investimento direto estrangeiro destinados a países emergentes, com US$ 18,1 bilhões em 2004, o Brasil deve continuar nas primeiras posições em 2005. A expectativa da Sociedade Brasileira de Estudos de Empresas Transnacionais e da Globalização Econômica (Sobeet) é de que os fluxos sejam de US$ 17 bi neste ano. Até agosto, foram de US$ 13,9 bi.No ano passado, o Brasil recebeu US$ 18,166 bilhões, sendo que US$ 4,9 bilhões referentes à compra da Ambev, de acordo com relatório da Unctad divulgado hoje. O diretor técnico da Sobeet, André Carvalho, ponderou que outros países também se beneficiaram de operações de grandes empresas, afastando questionamentos sobre a fragilidade do investimento total.Para justificar sua ponderação, Carvalho disse que os fluxos neste ano até agosto somam US$ 13,9 bilhões, um volume levemente superior ao do mesmo período de 2004, que foram de US$ 13,8 bilhões e incluíam os recursos referentes a Ambev.Entre 1990 e 2004, segundo a Unctad, as operações de fusão e aquisição representam em média 60% do valor dos fluxos mundiais. Há uma clara ligação entre investimentos em fusões e aquisições nos emergentes e a valorização do mercado acionário. A partir da alta do índice Dow Jones em 2002, essas operações ganharam fôlego, de acordo com Carvalho.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.