Nicolas ASFOURI / AFP
Nicolas ASFOURI / AFP

Brasil deve ser neutro na guerra comercial entre EUA e China, diz conselheiro de Paulo Guedes

Para professor da Universidade Columbia Marcos Troyjo, em vez de escolher um lado, País deve explorar as oportunidades oferecidas pelos dois

Lu Aiko Otta, O Estado de S.Paulo

22 Outubro 2018 | 18h50

BRASÍLIA - Conselheiro para temas de economia internacional e comércio do eventual superministro de Jair Bolsonaro, Paulo Guedes, o professor da Universidade Columbia Marcos Troyjo recomenda que o Brasil se mantenha neutro na guerra comercial entre Estados Unidos e China. Em vez de escolher um lado, deve explorar as oportunidades oferecidas pelos dois.

"A suposta guerra comercial é mais um movimento de acomodação do que algo que vá escalar outras áreas para além da economia e, portanto, tornar necessário fazer algum tipo de alinhamento", disse ele ao Estado. "Ter de escolher lados de maneira automática e irreversível não é olhar esse quadro de maneira realista."

Ressalvando que expressava suas opiniões pessoais e não as da equipe de um eventual governo de Jair Bolsonaro, Troyjo relativizou o peso da visita que o candidato fez a Taiwan no início deste ano. A iniciativa foi criticada numa carta enviada pela embaixada da China no Brasil ao DEM e publicada nas redes sociais pelo vereador César Maia (RJ).

"Eu duvido que ter uma boa relação com Taiwan vá criar obstáculos mais elevados na relação com Pequim", disse o professor, que é codiretor do laboratório dos Brics na universidade. Ele acrescentou que a Alemanha, por exemplo, tem excelentes relações com Pequim e intensas trocas comerciais com Taiwan.

Troyjo explicou ainda que os chineses "não estranhariam" caso o Brasil viesse a impor limites à presença estrangeira em determinadas áreas. "Eles também fazem isso", observou. A vedação, porém, teria de ser aplicada a todos os países, e não à China especificamente.

O candidato do PSL já fez restrições à compra pelos chineses dos ativos de geração de energia da Eletrobrás. Há também preocupação com a compra de terras por investidores do país asiático. Segundo auxiliares de Bolsonaro, é a esse problema que ele se referia quando disse que os chineses estão "comprando o Brasil."

Para o professor, é importante não perder de vista que a China tem passado por uma "metamorfose". De geradora de grandes superávits comerciais, ela tem transitado para um outro perfil de atuação: a de fonte de empréstimos governo a governo, origem de investimentos estrangeiros diretos. "Não vamos descuidar da parte comercial, mas temos de prestar atenção nas outras coisas", disse. "Há um casamento entre oportunidade e necessidade na área de infraestrutura no Brasil em que vamos ter de lidar com os chineses."

Troyjo acha, por exemplo, que o Brasil deveria ter um escritório na China para vender as oportunidades de investimento no setor. Hoje, só as grandes empresas estão presentes.

Para eles, as prioridades de uma política em relação à China deveriam ser: adensar a relação, sofisticar a pauta de exportação, aumentar o fluxo de investimentos e, eventualmente, criar "uma ou outra seletividade, para resguardar o interesse nacional."

E o mesmo deveria ser feito em relação aos Estados Unidos, afirmou. "Não existe maior deseconomia no mundo do que o baixo volume de intercâmbio comercial entre os Estados Unidos e o Brasil."

Na sua avaliação, a declaração do presidente Donald Trump que o País tem tarifas elevadas e "está entre os mais duros do mundo, talvez o mais duro" é, na verdade, um "convite para melhorar" a relação comercial. Não um passo no fechamento do mercado, como pode parecer.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.