Brasil é 10º maior mercado de tablets

O Brasil entrou para o time dos dez maiores mercados de tablets do mundo. A venda do produto no País cresceu 127% na comparação do terceiro trimestre de 2012 com o mesmo período de 2011, segundo a consultoria IDC. Isso fez o Brasil subir da 12ª para a 10ª posição no ranking.

NAYARA FRAGA, O Estado de S.Paulo

21 de dezembro de 2012 | 02h14

Quase 800 mil unidades foram vendidas apenas entre julho e agosto deste ano. E o IDC prevê que 2,9 milhões de aparelhos sejam vendidos ao fim de 12 meses. Para 2013, a estimativa sobe para 5,4 milhões.

Se neste último trimestre o País repetir o desempenho visto nos anteriores, a tendência é de que quase metade dos tablets vendidos seja composta por aparelhos de preço abaixo de R$ 500. Esses dispositivos são, em geral, simples e se conectam à internet só por meio do wi-fi.

Avaliar a qualidade desses tablets é uma tarefa que fica a cargo do usuário, observa o analista de mercado da IDC, Attila Belavary. "Se é bom ou não, é relativo. O aparelho pode ter certas limitações que alguns usuários estão dispostos a enfrentar pelo preço que estão pagando. Às vezes, não é nem limitação. Ele pode só querer entrar na internet e ter essa necessidade atendida."

Há dois anos, o único tablet que havia no mercado era o iPad. Naquela época, o preço passava dos R$ 2 mil. Hoje, a média do mercado é de R$ 968, segundo levantamento da consultoria GfK feito em agosto, e há pelo menos duas dezenas de opções no Brasil entre R$ 400 e R$ 800.

Embora exista uma variedade considerável de dispositivos móveis, os preços no País ainda são altos em relação aos internacionais. Isso porque, no exterior, o mercado de venda de conteúdo está mais desenvolvido. "A Amazon (dona de e-readers e tablets) e o Google (com o tablet Nexus 7) põem em prática nos Estados Unidos um modelo de negócios em que elas conseguem ganhar dinheiro quando os aparelhos são usados e o conteúdo, consumido. Aqui ainda não há ninguém disposto a abrir mão da margem de lucro proporcionada pelos aparelhos."

As versões mais simples do Kindle e do Nexus 7 custam, respectivamente, US$ 69 e US$ 199 nos EUA. Lá, 71 tablets são vendidos por minuto. No Brasil, são 6.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.