Brasil é acusado de subsidiar exportações

Europa fez a acusação e estuda abrir um contencioso comercial contra o País na OMC

JAMIL CHADE, CORRESPONDENTE / GENEBRA, O Estado de S.Paulo

12 de julho de 2013 | 02h06

Depois de meses de acusações de práticas protecionistas, as maiores economias do mundo agora acusam o Brasil de estar dando "apoio proibido" a exportadores nacionais graças a reduções de impostos. Liderados pela Europa, eles pedem que Brasília desmonte seu sistema de incentivos fiscais que tem sido o pilar da política industrial do governo de Dilma Rousseff.

Diplomatas estrangeiros admitiram ao Estado que, se o governo brasileiro não der uma resposta, existe o risco de que se abra uma guerra comercial que poderia ter um impacto sobre os investimentos planejados no País até 2017.

A queixa é comandada pela Europa. Mas EUA, Japão, Hong Kong, Canadá e Austrália declararam sua "preocupação" em relação as práticas brasileiras.

 

Numa reunião ontem na Organização Mundial do Comércio (OMC), a diplomacia da União Europeia alertou que não vai tolerar a manutenção das medidas no Brasil e diz que os incentivos fiscais dados inicialmente apenas ao setor automotivo se transformaram numa política de Estado para toda a indústria nacional.

"A União Europeia está cada vez mais preocupada com o uso do Brasil de impostos indiretos como meio de proteger e promover sua indústria manufatureira, principalmente por uso de condições de conteúdo doméstico", disse a UE na OMC.

Os europeus lembram ter demonstrado sua preocupação no passado em relação ao IPI reduzido para veículos que usem uma quantidade mínima de peças fabricadas no País. Mas agora denunciam o fato de que essa tendência está se espalhando para outros setores e beneficiando não apenas a produção nacional, mas também os exportadores.

A queixa é de que, ao dar incentivos fiscais a alguns setores, o Brasil estaria na prática subsidiando exportações, o que é proibido pela OMC.

Governos dos EUA do Japão e do Canadá demonstram insatisfação. O governo japonês foi um dos mais enfáticos e diz que o Brasil viola pelo menos três artigos das regras internacionais com esses incentivos.

Por enquanto, o tema tem sido tratado em comitês técnicos da OMC. Mas, em conversa com o Estado, diplomatas europeus garantem que Bruxelas já pensa nos próximos passos e um dos cenários será a abertura de um contencioso comercial ainda este ano.

A percepção é de que o Brasil tem ignorado a pressão e ampliado suas medidas. A questão foi levantada pelos países ricos em outubro e novembro de 2011, além de março de 2012. O assunto foi abordado em sabatina sobre política comercial a que o Brasil foi submetido no fim de junho.

Se o questionamento legal ocorrer, europeus acreditam que a política industrial da presidente Dilma Rousseff será colocada em xeque. Se a OMC determinar que se trata de violação das regras internacionais, obrigará o Brasil a retirar os incentivos, o que pode ser desastroso. Isso porque várias empresas de todo o mundo já se inscreveram nos programas e fizeram investimentos no Brasil para se beneficiar desses incentivos fiscais.

Resposta. Segundo o Itamaraty, já foram dadas várias respostas nos últimos meses aos países que questionaram a política de incentivos fiscais. Ontem, os representantes brasileiros insistiram que as medidas têm como meta "racionalizar" o sistema tributário para garantir maior inovação tecnológica e proteção ao meio ambiente.

Os diplomatas alfinetaram o Japão e a UE. Segundo eles, "várias empresas" desses países já estariam se beneficiando das isenções no mercado nacional.

Notícias relacionadas

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.