André Dusek|Estadão
André Dusek|Estadão

coluna

Fernanda Camargo: O insustentável custo de investir desconhecendo fatores ambientais

Brasil é altamente vulnerável devido à incerteza com eleições, diz IIF

Instituto de Finanças Internacionais (IIF, na sigla em inglês), no entanto, acredita que baixa exposição do País a choques externos é um fator atenuante

Victor Rezende, O Estado de S.Paulo

09 de agosto de 2018 | 17h56

O Instituto de Finanças Internacionais (IIF, na sigla em inglês) afirmou nesta quinta-feira, 9, que o Brasil é "altamente vulnerável" no âmbito fiscal em meio à incerteza com as eleições deste ano. No entanto, a baixa exposição do País a choques externos "é um fator atenuante", de acordo com o instituto.

Segundo o IIF, a dívida pública é moderada nos mercados emergentes como um todo, mas está acima de 60% em alguns países, como o Brasil. "Os emergentes altamente endividados têm planos de políticas para reduzir a dívida no médio prazo", aponta o instituto, embora ressalte que a capacidade dos emergentes de fazer ajustes fiscais "é incerta". Nesse sentido, o IIF aponta, ainda, que Brasil e Argentina devem ver uma dívida em rápido crescimento, mesmo com os níveis já altos.

Não por acaso, o instituto aponta que a vulnerabilidade fiscal é elevada no Brasil, na Argentina e na Ucrânia, sendo que os dois últimos estão em programas do Fundo Monetário Internacional (FMI), o que poderia reduzir a vulnerabilidade caso esses planos sejam bem-sucedidos. "No Brasil, as próximas eleições aumentam os riscos de dívida alta e crescente", aponta o IIF.

Em relação à Turquia, a organização acredita que o país é "um dos principais casos de altos desequilíbrios externos", embora não apresente vulnerabilidades fiscais muito elevadas, devido aos empréstimos externos feitos pelo setor privado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.