Brasil e Argentina discutirão relações comerciais em novembro

Empresários brasileiros e argentinos da Federação das Indústrias de São Paulo (Fiesp) e da União Industrial Argentina (UIA) vão se reunir no próximo dia 24 de novembro, na cidade de Pilar, a 50 quilômetros do centro de Buenos Aires, para discutir a marca Mercosul e as possíveis soluções para as assimetrias geradas na relação comercial entre os países.O chamado Fórum Empresarial do Mercosul - encabeçado por Paulo Skaff, presidente da Fiesp, Roberto Setúbal (Banco Itaú) e Benjamin Steinbruch (Companhia Siderúrgica Nacional), pelo lado brasileiro, e por Alberto Álvaréz Gaiani, presidente da UIA, Luis Pagani (Arcor), Paolo Rocca (Grupo Techint), Juan Manuel Forn (Molinos), e José Ignacio de Mendiguren (indústria têxtil), pelo lado argentino - se reunirá pela segunda vez.Tensão comercialO encontro ocorrerá no âmbito da Convenção anual da UIA e contará com a participação dos ministros de Economia da Argentina, Roberto Lavagna, e de Relações Exteriores do Brasil, Celso Amorim. A reunião será realizada num momento de tensão comercial entre os dois países, já que oito mil máquinas de lavar roupas brasileiras encontram-se presas na aduana argentina à espera de licenças que permitam suas importações. O governo argentino também mantém uma dura vigilância na importação de fogões e geladeiras do Brasil, para que não sejam ultrapassadas as cotas previstas no acordo fechado em junho. O Brasil exportava 95% das geladeiras vendidas na Argentina e, desde que a cota mensal de 18.160 mil unidades foi fixada, esse percentual caiu para 84%. O espaço perdido pelo País vem sendo preenchido por produtos chilenos e mexicanos.Além disso, a secretaria de Indústria argentina continua aplicando a alíquota de 21,5% para os aparelhos de televisão produzidos na zona franca de Manaus, sem intenção de abandonar a medida.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.