Brasil e Argentina iniciam estudo para reduzir barreiras

O Brasil e a Argentina decidiram hoje iniciar uma análise sobre a possibilidade de reduzir o número de produtos sujeitos às licenças não automáticas de importação, que têm prejudicado o comércio bilateral. Uma nota divulgada pelo Ministério de Indústria e Turismo da Argentina afirma que os dois países "reafirmaram sua vontade de fortalecer o vínculo comercial".

MARINA GUIMARÃES, Agencia Estado

09 de dezembro de 2009 | 18h38

A Comissão Bilateral de Comércio, que se reuniu em São Paulo nesta quarta-feira, "verificou a agilização da tramitação da aprovação das licenças não automáticas (LNA) de importação que aplicam ambos os países e se comprometeu a continuar avançando neste caminho", diz a nota.

O texto informa ainda que a comissão "avançou na agenda para o encontro que os ministros de Indústria, Economia e Relações Exteriores de ambos os países terão no início de fevereiro", conforme ficou acertado no último dia 18, durante reunião entre os presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e Cristina Kirchner, em Brasília. Por decisão de Lula e Cristina, os ministros vão ter que se reunir a cada 45 dias para aparar as arestas entre os dois sócios. Um dia antes do encontro dos ministros, será realizada, segundo a nota, a reunião do Comitê Automotivo Bilateral.

Participaram da reunião os secretários-executivos e de Comércio Exterior do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior do Brasil, Ivan Ramalho e Welber Barral, respectivamente, e o secretário de Indústria da Argentina, Eduardo Bianchi, além de técnicos de ambos os lados.

Tudo o que sabemos sobre:
comércio exteriorlicençasArgentina

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.