Brasil e Argentina podem fomentar 3° maior mercado mundial, diz Pimentel

Para isso, no entanto, o ministro observou que os sócios precisam integrar suas cadeias produtivas de forma inteligente e eficiente

Marina Guimarães, enviada especial de O Estado de S. Paulo,

27 de novembro de 2012 | 21h11

LOS CARDALES, - Brasil e Argentina, juntos, podem fomentar o terceiro maior mercado do mundo, depois da China e dos Estados Unidos, segundo projeção do ministro de Desenvolvimento, Indústria e Comercio Exterior (MDIC), Fernando Pimentel, durante apresentação na 18ª Conferência da União Industrial da Argentina (UIA), nesta terça-feira, em Los Cardales, a 70 quilômetros de Buenos Aires.

"Considerando a China na frente e os EUA que vão manter sua posição por um longo tempo, e a nossa região, puxada por Brasil e Argentina, poderá ocupar de maneira consistente o cargo de terceiro mercado mundial", disse Pimentel.

Para isso, no entanto, o ministro observou que os sócios precisam integrar suas cadeias produtivas de forma inteligente e eficiente. "Sou muito otimista e estamos avançando. Tudo nos aproxima e quase nada nos separa, talvez no futebol", brincou o ministro sem mencionar as barreiras argentinas, que provocaram uma retração das vendas brasileiras no mercado vizinho de mais de 20% entre janeiro a outubro de 2012, segundo o próprio MDIC.

Tudo o que sabemos sobre:
argentinabrasilmercado

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.