Brasil e Argentina querem antecipar livre comércio no Mercosul

Os presidentes do Brasil e da Argentina assinaram hoje os acordos automotivos e de Crédito Recíproco (CCR), em cerimônia no Palácio do Planalto, e abriram a possibilidade de iniciar o livro comércio dentro do Mercosul a curto prazo.O CCR, que será operacionalizado pelos bancos centrais da Argentina e do Brasil, tem por objetivo ampliar o fluxo de comércio entre Brasil e Argentina e solucionar o problema do atraso de pagamento às empresas brasileiras de compras feitas por empresários argentinos. O mecanismo terá o respaldo do Tesouro Nacional e do BNDES, disse o presidente Fernando Henrique Cardoso ao lado do colega argentino Eduardo Duhalde. Fernando Henrique afirmou ainda que a assinatura dos documentos tem um significado histórico, justamente por serem concluídos em um momento de tanta dificuldade nos dois países. Ele falou também sobre a dúvida de algumas pessoas em relação à capacidade de ser mantida viva "a chama do Mercosul". "Brasil e Argentina mostraram ser capazes de resolver os seus problemas comerciais, mesmo que ainda dentro de momentos desfavoráveis para os dois países", afirmou.O presidente brasileiro disse que há a possibilidade de o Mercosul antecipar a instalação do livre comércio na região. "Quem sabe poderemos antecipar o livre comércio quando muitos achavam impossível manter esses acordos firmes", afirmou. Fernando Henrique disse que tomou a decisão, junto com o presidente Eduardo Duhalde, de que Brasil e Argentina disputarão em conjunto terceiros mercados, como Índia e China.O presidente disse também que o Mercosul será o instrumento de cooperação entre os países da América do Sul com o Nafta, com o México e com a União Européia, entre outros. "Só quem acredita em si merece o respeito dos demais", afirmou.Duhalde, em seu discurso, agradeceu o apoio que o Brasil tem dado à Argentina e disse que essa crise será uma pequena referência na história dos dois países. Segundo ele, Brasil e Argentina continuarão coordenando a formação de uma grande América Latina.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.