Brasil e Argentina vão monitorar comércio bilateral

O Brasil não aceitou a proposta da Argentina de fixar quotas para a entrada de seus produtos neste mercado. Ambos os sócios fizeram um acordo, no entanto, de monitoramento da balança comercial e sua evolução, com especial interesse em alguns setores que apresentam um aumento muito forte no comércio bilateral. O secretário de Indústria, Alberto Dumont, foi o encarregado de transmitir ao secretário executivo do ministério de Desenvolvimento, Márcio Fortes, a preocupação dos empresários e do próprio governo sobre o incremento de exportações que poderiam estar causando danos em setores com o têxteis, calçados, químicos, frangos e porcos. Foi ele quem transmitiu a proposta do ministro de Economia, Roberto Lavagna, de impor quotas que limitem as importações quando seja detectado um incremento pontual da entrada de um bem que pode causar dano à economia local. Em um comunicado oficial divulgado ontem à noite, ao final das reuniões que foram realizadas durante toda a quarta-feira, a Argentina ?expressou sua inquietude por alguns casos de produtos brasileiros cujas importações têm crescido significativamente e que poderia provocar efeitos não desejados para o mercado?. Sendo assim, foi acertado o monitoramento da ?evolução do intercâmbio de ditos produtos? , e se poderá voltar a analisar a situação na próxima reunião bilateral que ocorrerá na última quinzena de agosto próximo.

Agencia Estado,

24 Julho 2003 | 08h25

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.