bolsa

E-Investidor: Itaúsa, Petrobras e Via Varejo são as ações queridinhas do brasileiro

Brasil e Bolívia terão nova reunião para discutir preço do gás

O governo da Bolívia enviará na quinta-feira ao Brasil uma delegação para realizar a última reunião programada entre os dois países na discussão sobre a nova tarifa do gás boliviano, informou nesta terça-feira o ministro de Hidrocarbonetos do país andino, Andrés Soliz.Segundo o funcionário, a missão que viaja ao Rio de Janeiro será liderada pelo vice-presidente da empresa estatal Yacimientos Petrolíferos Fiscales Bolivianos (YPFB), Juan Carlos Ortiz. "É uma reunião muito importante, porque é a última entre os dois governos para acertarmos os preços", disse Soliz.Desde julho passado, a Petrobras paga US$ 4 por milhão de BTU (Unidade Térmica Britânica), mas a Bolívia aumentou o preço para US$ 7,5, valor médio no Brasil dos combustíveis que foram substituídos pelo gás boliviano.Ambos os governos e suas empresas estatais, YPFB e Petrobras, começaram as conversas no dia 29 de junho e, desde então, realizaram três reuniões, nas quais a firma brasileira rejeitou o pedido boliviano.O ministro Soliz afirmou que no novo encontro do Rio de Janeiro os dois países podem decidir prolongar as conversas se chegarem a um acordo ou, finalmente, recorrer a uma arbitragem internacional que solucione o problema.No entanto, segundo a autoridade, há "uma posição cada vez mais compreensiva do Brasil em relação à possibilidade de aumentar os preços de pagamento pelo gás natural" da Bolívia.No fim do mês de junho, o governo do presidente Evo Morales conseguiu da Argentina um aumento de US$ 3,35 a US$ 5 pelo preço do gás, por um volume máximo de 7,5 milhões de metros cúbicos diários do combustível.Atualmente, a Petrobras importa 24 milhões de metros cúbicos diários de gás e fará investimentos apenas para garantir o aumento do volume até os 30 milhões, segundo disse na segunda-feira o diretor internacional da companhia, Néstor Cerveró.Sem preocupação Sobre o assunto, Soliz afirmou não se preocupar com a postura da companhia brasileira, porque garante o cumprimento do contrato vigente entre ambos os países, mesmo que a Petrobras não planeje maiores investimentos.O ministro de Hidrocarbonetos da Bolívia acrescentou que seu país tem opções de expandir seus mercados de gás ao México e ao Paraguai, além de estudar a possibilidade de vender eletricidade ao Chile. "Por isso, a venda do gás não nos preocupa", disse, ao assinalar que a maior atenção do governo agora é para saber o volume real das reservas de gás natural do país e desenvolver os planos de industrialização.O volume de reservas provadas e prováveis, de 48,7 trilhões de pés cúbicos, ficou em dúvida este ano, quando a empresa de consultoria De Golyer & MacNaughton, dos Estados Unidos, assinalou que havia uma redução no primeiro tipo, algo que a Bolívia não acredita.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.