carteira

As ações mais recomendadas para dezembro, segundo 10 corretoras

Brasil e China lideram captação de private equity em emergentes

Fundos dedicados ao Brasil levantaram US$ 7 bi em 2011, alta de 18%

Reuters,

19 de março de 2012 | 11h44

SÃO PAULO - Os mercados emergentes continuaram crescendo na captura de recursos da indústria global de private equity em 2011, com destaque para Brasil e China, informou nesta segunda-feira uma entidade do setor.

Os mercados emergentes alcançaram 15% dos novos investimentos em nível mundial em 2011, ante 11% no ano anterior, informou a Emerging Markets Private Equity Association (EMPEA).

Liderada por China e Brasil, a captação de recursos de private equity para mercados emergentes em 2011 cresceu 64%, atingindo a máxima de três anos de US$ 38,6 bilhões,

No mesmo período, 876 operações de private equity e venture capital, no valor de US$ 26,9 bilhões, foram concluídas em mercados emergentes, ou 11% do investido globalmente.

"Essa tendência é consistente com a forma como fundos veem a oportunidade de mercado em economias de alto crescimento", disse a presidente da EMPEA, Sarah Alexander.

Os fundos dedicados a Brasil levantaram US$ 7 bilhões em 2011, ou 18% dos novos ingressos do setor para mercados emergentes.

"O aumento do apetite dos investidores para a exposição ao Brasil tem sido um aspecto importante da recuperação de captação de recursos nos mercados emergentes", disse Sarah.

No entanto, 95% dos recursos captados para o Brasil no ano passado, foram para apenas cinco fundos, cada um deles com US$ 1 bilhão de ou mais. Juntos, eles somam US$ 6 ,7 bilhões.

Enquanto o capital novo levantado pelos fundos de mercados emergentes aumentou 64 por cento no ano passado, o número de fundos diminuiu em 20% em 2011. O tamanhos de fundos de tamanho médio duplicou, alcançando um recorde de US$ 303 milhões, versus US$ 145 milhões em 2010.

O tamanho médio dos investimentos de private equity em mercados emergentes foi de US$ 15 milhões no ano passado. No Brasil, o tamanho médio de cada negócio caiu de US$ 56 milhões para US$ 45 milhões. (Aluisio Alves)

Tudo o que sabemos sobre:
MERCADOSBRASILCHINAPRIVATEEQUITY*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.