carteira

As ações mais recomendadas para dezembro, segundo 10 corretoras

Brasil e China reivindicam agilidade na reforma do FMI

O ministro das Relações Exteriores, Luiz Alberto Figueiredo, e o ministro dos Negócios Estrangeiros da China, Wang Yi, defenderam nesta sexta-feira, 25, a reforma do Fundo Monetário Internacional (FMI).

BERNARDO CARAM, Agencia Estado

25 de abril de 2014 | 17h01

As mudanças, que dariam mais peso ao voto dos países emergentes, foi aprovada em 2010, mas está travada aguardando o aval do Congresso dos Estados Unidos. Por causa da mudança no estatuto do Fundo, cada País membro precisa aprovar a alteração em seu respectivo poder legislativo antes que as mudanças tenham efeito.

Para Figueiredo, a reforma precisa ocorrer o mais rápido possível. "Do ponto de vista do Brasil, a reforma do FMI é um ponto fundamental da reforma global da governança internacional", disse.

Wang Yi afirmou que os compromissos firmados por cada país precisam ser respeitados e implementados. "Isso diz respeito à credibilidade do FMI", disse. "Pode ser mais aperfeiçoado, mais efetivo".

O ministro chinês esteve em Brasília para co-presidir, com o ministro das Relações Exteriores, Luiz Alberto Figueiredo Machado, a sessão inaugural do Diálogo Estratégico Global Brasil-China, que foi estabelecido em 2012 com o objetivo de ampliar as relações bilaterais entre os países. A presença de Wang Yi também tem o fim de preparar a visita de Estado do Presidente Xi Jinping a Brasília e da VI Cúpula do BRICS, em Fortaleza, no mês de julho.

Tudo o que sabemos sobre:
BrasilChinaFMI

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.