Brasil é conduzido a um beco sem saída, diz economista

O atual rumo da política econômica do governo Lula "está conduzindo o País a um beco sem saída", disse hoje o economista e professor da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), Plínio de Arruda Sampaio Jr, que está organizando um o manifesto com 240 economistas ligados ao PT e que apoiaram a candidatura Lula, com sugestões para mudar o modelo econômico. Para ele, "o espetáculo prometido pelo governo Lula está longe de acontecer".O economista disse acreditar que a questão central está no controle de capitais. "Ele que nos dará um raio de liberdade para ter uma política econômica voltada para as necessidades internas", afirmou. Para ele, o "Brasil está maravilhoso apenas para o capital internacional que em três meses aqui fazem quatro anos de rentabilidade americana". Ele defendeu que o governo Lula seja de transição: "que transite da política neoliberal para a que leve em consideração o público interno e não o mercado". No manifesto, que, segundo ele, poderá chegar a 300 assinaturas, os economistas defendem o controle de capitais externos e do câmbio, redução do superávit primário até a eventual eliminação, redução da taxa de juros, manutenção e ampliação da política de incentivo às exportações e política de renda pactuada para controle da inflação. Segundo o economista, "as reformas não vão levar ao crescimento, porque elas não tem nada a ver com crescimento econômico".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.