Brasil é decisivo na integração da América do Sul, diz Lula

Presidente diz que País deve construir parcerias com os países da região, e não uma relação de hegemonia

Da redação,

21 de julho de 2008 | 07h58

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou nesta segunda-feira, 21, em seu programa semanal de rádio, Café com o Presidente, que o Brasil é responsável pela integração da América do Sul, por ser a maior economia e o país mais industrializado. Para Lula, o mais importante é construir parcerias com os países da região, e não uma relação de hegemonia. "Porque a um país como o Brasil não interessa ser apenas um país grande, economicamente forte, com um monte de gente pobre do seu lado", afirmou o presidente.   Veja também: Ouça a íntegra do programa 'Café com o Presidente'  Brasil, Colômbia e Peru assinam acordo para combater tráfico   Para Lula, o Brasil deve ser uma espécie da ponte, que faz a ligação entre todas as correntes políticas da América do Sul. Além disso, o País precisa trabalhar para que haja um equilíbrio político, econômico, social e cultural no continente. "Eu não medirei nenhum esforço, farei qualquer sacrifício para que a integração da América do Sul se transforme numa realidade", disse.   Lula afirmou ainda que é preciso criar um equilíbrio nas relações comerciais dos países da região, evitando déficits comerciais de ambos os lados. "Esse equilíbrio é que vai permitir que a gente possa viver tranqüilamente e em paz no nosso continente", disse.   O presidente também comemorou a adesão da Colômbia, no último sábado, ao Conselho de Defesa da União de Nações Sul-americanas (Unasul) e citou o financiamento da estrada "Rurrenabaque-Riberalta", que ligará o Brasil à Bolívia.

Tudo o que sabemos sobre:
LulaAmérica do Sul

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.