portfólio

E-Investidor: qual o melhor investimento para 2020?

Brasil e Estados Unidos põem fim à guerra do suco de laranja

Depois de dois anos de contencioso, Brasil e Estados Unidos puseram fim à guerra do suco de laranja. Hoje, o embaixador Clodoaldo Hugueney, subsecretário-geral de Assuntos Econômicos e Tecnológicos do Itamaraty, anunciou que o Brasil vai retirar o "painel" aberto na Organização Mundial do Comércio (OMC) contra a cobrança do imposto de equalização sobre o suco de laranja, importado do Brasil pelo Estado da Flórida. O "painel" havia sido solicitado em agosto de 2002, mas não havia iniciado ainda seus trabalhos.O fim da guerra foi possível graças a sanção de uma emenda aos estatutos da Flórida, no último dia 12 de maio. Esse texto mudou as regras de cobrança do imposto de equalização. O importador poderá optar por não pagar dois terços desta taxa. O restante será obrigatório. Porém, o mesmo importador poderá determinar que esses recursos não sejam direcionados a campanhas de promoção do suco de laranja da Flórida."Este caso prova que o mecanismo de solução de controvérsia da OMC é um instrumento muito importante, mesmo que o contencioso não chegue às últimas conseqüências. O entendimento entre o Brasil e Estados Unidos foi satisfatório para ambas as partes e abre o caminho para a cooperação entre os produtores brasileiros e americanos", afirmou Hugueney.AbecitrusO presidente da Abecitrus, Associação Brasileira dos Exportadores de Cítricos, Ademerval Garcia, reconheceu que o setor levou "vários puxões de orelha" do Itamaraty para que o caso fosse adiante na OMC.Com o fim da controvérsia, Garcia afirmou que será possível criar uma agenda comum para os produtores dos dois países, orientada para a obtenção de informações de mercado, de previsões de safra e para a criação de um sistema de sustentação científica, voltado principalmente para questões de saúde pública.Conforme informou, um dos principais desafios dessa parceria será ampliar o mercado para o suco de laranja não só no Brasil e nos EUA e, portanto, superar os prejuízos provocados pelas campanhas contra a obesidade.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.