Brasil e Japão negociam acordo para produção de álcool

O ministro da Agricultura do Brasil, Roberto Rodrigues, e o do Japão, Shoichi Nakagawa, definiriam nesta sexta-feira que os dois países irão trabalhar por um acordo de cooperação mútua para fomentar a produção de álcool e agroenergia em países pobres.Rodrigues não informou detalhes sobre o acordo discutido na reunião em sua fazenda, no município de Guariba (SP). No entanto, é bem possível que o Brasil forneça a tecnologia desenvolvida nos 30 anos de produção comercial de álcool e o Japão financie as unidades sucroalcooleiras, prioritariamente em países africanos.Com o apoio à produção do combustível nestes países, o Brasil consegue ampliar o leque de oferta do álcool para torná-lo uma commodity mundial e assim seguir na liderança desse novo mercado. Já o Japão, que pretende tornar mandatória a mistura de 3% de etanol à gasolina, passaria a ter mais fornecedores mundiais do combustível. Rodrigues e Nakagawa definiram ainda que os ministros da agricultura dos dois países irão se reunir duas vezes ao ano, um encontro em cada país, para ampliarem as discussões de parcerias agropecuárias e agroindustriais.Negociações agrícolasRodrigues informou também que agradeceu a Nakagawa pelo que ele chama de flexibilização por parte do país dentro do G-10 nas negociações internacionais para produtos sensíveis agrícolas. Segundo o ministro, o país oriental trabalhou para que seja possível um "destravamento" nos impasses que envolvem os acordos internacionais. Rodrigues pediu ainda que o Japão receba missões brasileiras que irão discutir contenciosos, como a abertura do mercado para frutas e carnes brasileiras. Nakagawa prometeu analisar o pedido do colega brasileiro e dar uma resposta "consistente" a Rodrigues.No almoço, Rodrigues fez questão de expor várias caixas de frutas brasileiras, entre elas caqui, manga, goiaba, morango e carambola, para que a comitiva japonesa pudesse avaliar a qualidade delas.

Agencia Estado,

05 de maio de 2006 | 18h22

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.