Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Brasil é muito maior que a sua nota e economia vai voltar a crescer, afirma Dilma

Ao falar sobre o rebaixamento do Brasil pela S&P, presidente tentou mostrar que a situação é passageira

Victor Martins e Álvaro Campos, O Estado de S. Paulo

16 Setembro 2015 | 09h09

BRASÍLIA - A presidente Dilma Rousseff saiu em defesa de seu governo e das medidas que tem tomado contra a crise econômica. Durante entrevista a uma rádio de Presidente Prudente (SP) nesta quarta-feira, 16, Dilma disse que seu governo está tomando medidas para tirar o País da crise o mais rapidamente possível.

Ao falar sobre o rebaixamento do Brasil pela Standard & Poor's, que tirou o grau de investimento do País, tentou mostrar que a situação é passageira. "Isso aconteceu com os Estados Unidos em 2011. Com França, Espanha e Itália em 2012 e agora ocorre conosco. Todos os países foram muito maiores que suas notas e o Brasil também será. Todos voltaram a crescer e assim vai ser com o Brasil", afirmou. "Estamos tomando as medidas para nós, não para a nota", disse.

766E3C01-53A8-483E-9B06-CCE0C7108013
Estamos tomando as medidas para nós, não para a nota - Dilma Rousseff
E0EAB005-9061-4B3D-86B9-AEB61693E313
Dilma destacou que além de medidas, o Brasil tem honrado contratos e que não há problema de crédito internacional. "Somos um dos países em que mais há entrada de capital", observou. Ela disse ainda que estão sendo tomadas medidas de controle da inflação e de equilíbrio fiscal, além de outras de estímulo ao crescimento, como o programa de energia, o plano safra e o programa de aviação.

"Nós estamos trabalhando intensamente para que nossa macroeconomia, nossa economia, se torne cada vez mais sólida e para aumentar a confiança dos agentes econômicos para permitir que o Brasil volte a crescer", garantiu.

A presidente afirmou ainda que o Brasil é uma economia grande e diversificada, a sétima do mundo, e que o País vai atravessar esse "período pelo qual muitos passaram". "Vamos fazer todas essas medidas para voltar a crescer e gerar emprego", disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.