Brasil é o 10º em ranking mundial de investimento estrangeiro

País se tornou em 2008 a economia mais internacionalizada dos Brics, diz relatório com base em dados da ONU

ANNE WARTH E FRANCISCO CARLOS DE ASSIS, Agencia Estado

17 de setembro de 2009 | 14h39

Ao contrário do que aconteceu no resto do mundo, o fluxo de Investimentos Estrangeiros Diretos (IED) para o Brasil aumentou 30,3% em 2008 na comparação com 2007, para US$ 45,1 bilhões, e o País passou a ocupar a 10ª posição no ranking mundial de ingresso de capitais. A média mundial do IED correspondeu a uma queda de 14,2%, para US$ 1,697 trilhão para o mesmo período. Entre as economias desenvolvidas, o fluxo de IED teve retração de 29,2%, para US$ 962,3 bilhões. O crescimento do investimento no Brasil superou a média dos países em desenvolvimento e dos países da América Latina. Para as economias em desenvolvimento, o fluxo de investimentos aumentou 17,3% para US$ 620,7 bilhões e, para a América Latina, o crescimento foi de 13,2% para US$ 144,4 bilhões.

Veja também:

especialPIB cresce 1,9% e Brasil sai da recessão

especialUm ano após auge da crise, economia se recupera

especialAs medidas do Brasil contra a crise

especialDicionário da crise 

especialComo o mundo reage à crise

 

A conclusão é do relatório sobre o volume de Investimento Estrangeiro Direto (IED) no mundo em 2008, elaborado pela Sociedade Brasileira de Estudos de Empresas Transnacionais e da Globalização Econômica (Sobeet) a partir de dados da Conferência das Nações Unidas para o Comércio e o Desenvolvimento (Unctad).

 

Líder dos Brics

O relatório também aponta que o Brasil se tornou no ano passado a economia mais internacionalizada dos Brics, grupo de países emergentes que inclui Rússia, Índia e China, além do Brasil. Na proporção entre o estoque de IED realizado e o Produto Interno Bruto (PIB) de cada país, o Brasil apresenta a melhor relação, de 18,3%. Foi a primeira vez que o País superou a Rússia na atração de investimentos comparativamente ao seu PIB. A Rússia, que até então liderava este ranking, recebeu a título de investimentos o equivalente a 12,7% do seu produto interno em 2008. Os investimentos na Índia corresponderam à proporção de 9,9% de seu PIB e na China, de 8,7%. Segundo dados da Unctad,a média de investimento estrangeiro no mundo em relação ao PIB global é de 26,9%, o que indica que há um potencial de crescimento considerável para o Brasil e os demais países do grupo Bric.

"Nunca a percepção do investidor estrangeiro foi tão positiva em relação ao Brasil quanto agora", avalia o presidente da Sobeet, Luís Afonso Lima. De acordo com ele, essa melhora na avaliação dos estrangeiros deve-se aos bons fundamentos da economia brasileira, que se mantiveram sólidos mesmo em meio à crise econômica global. Ele citou com exemplos o controle da inflação, a política fiscal e, principalmente, o setor externo.

Brasil é o 10º no ranking

 

Essa visão das empresas estrangeiras em relação ao Brasil fez com que o País subisse quatro posições no ranking dos principais destinos de investimentos no ano passado. Em 2007, o Brasil ocupava a 14ª posição nesta lista, com investimentos de US$ 34,6 bilhões. No ano passado, o Brasil subiu para a 10ª colocação, recebendo o ingresso de US$ 45,1 bilhões. Economias sólidas com as da Alemanha, Canadá e Itália, por exemplo, perderam posições e ficaram atrás do Brasil em 2008. E de acordo com a Unctad, o Brasil deve melhorar ainda mais nesse ranking e atingir o 4º lugar até 2011.

Para Lima, o Brasil deve encerrar este ano recebendo um fluxo de US$ 25 bilhões. "O valor é menor que os dos dois últimos anos, mas superior aos de outros países, que estão caindo tanto ou mais que nós", explicou o presidente da Sobeet. Uma outra característica do Brasil ressaltada no estudo é que o aumento do IED em 2008 superou o crescimento dos investimentos das empresas nacionais no País, ao contrário do que ocorreu no restante do mundo. No Brasil, enquanto o IED aumentou 30,3% de 2007 para 2008, o investimento de empresas nacionais na Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF) cresceu 13,8%. "Os outros estão vendo o Brasil com um olhar mais favorável que os próprios brasileiros e, além disso, para o resto do mundo, a previsão de crescimento não é tão boa", analisou o presidente da Sobeet.

Barreiras

 

Finalmente, para os investidores estrangeiros, embora o tamanho da economia brasileira, o crescimento do mercado doméstico e o baixo custo da mão de obra sejam fatores de atração para novos investimentos, ainda há barreiras que impedem uma expansão ainda maior. Comparativamente à média dos demais países, o Brasil possui uma qualidade de infraestrutura inferior aliada à eficiência do governo também baixa. Pesa ainda contra o Brasil o baixo número de acordos internacionais e bilaterais. Nos últimos dez anos, o Brasil assinou apenas 12 acordos de bitributação e dois acordos de investimento. É um dos menores números no ranking dos países, o que coloca a economia brasileira atrás de Ilhas Seychelles, Costa do Marfim, Vanuatu e Eritreia.

Tudo o que sabemos sobre:
investimentosIEDBrasil

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.