Brasil e Paraguai põem exércitos na fronteira

O Brasil vai pôr o Exército para patrulhar a linha de fronteira com o Paraguai, a fim de fiscalizar o trânsito de gado entre os dois países. O objetivo é evitar o surgimento de novos casos de febre aftosa na região. O governo sul-matogrossense tem insistido na tese de que os focos da doença surgidos no lado brasileiro originaram-se de animais infectados trazidos do país vizinho. O pedido foi feito pelo governo do Mato Grosso do Sul ao Comando Militar do Oeste.Serão fiscalizados cerca de 110 quilômetros da Linha Internacional, entre os municípios de Mundo Novo e Paranhos. É uma região em que se alternam grandes fazendas e pequenas criações em assentamentos. Muitos pecuaristas brasileiros têm também estâncias no lado paraguaio. Até a tarde de hoje não havia definição sobre o início do deslocamento das tropas.Também foram colocadas patrulhas marítimas no rio Paraná para evitar o transporte por embarcações ao longo dos 70 km de águas comuns. Os postos de controle terrestres desinfetam os veículos que adentram o Paraguai, vindos do Brasil. Hoje, os agentes paraguaios assavam e saboreavam churrasco de carne bovina em um dos postos, no acesso a Salto de Guairá. "É carne paraguaia, sem aftosa", diziam, rindo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.