Renda extra

Fabrizio Gueratto: 8 maneiras de ganhar até R$ 4 mil por mês

Brasil e Peru são possíveis candidatos a upgrade, diz Moody's

Embora não tenha planos imediatos de elevação de rating, agência ressalta desempenho do País diante da crise

Regina Cardeal, da Agência Estado,

20 de maio de 2009 | 13h34

O Brasil e o Peru são possíveis candidatos para um upgrade após provarem que são resilientes à crise global, embora não haja planos imediatos de elevação do rating, disseram analistas da Moody's Investor Service. "As crises revelaram a capacidade de resistência dos países aos choques e o Brasil e o Peru se saíram muito bem", disse Mauro Leos, responsável da Moody's para os ratings regionais, em teleconferência.

 

Veja também:

especialNa elite do mercado mundial

especialAs medidas do Brasil contra a crise

especialAs medidas do emprego

especialDe olho nos sintomas da crise econômica 

especialDicionário da crise 

especialLições de 29

especialComo o mundo reage à crise 

 

Enquanto a Standard & Poor's e a Fitch Ratings conferiram grau de investimento à dívida soberana do Brasil e do Peru no ano passado, a Moody's assumiu uma postura mais cautelosa, mantendo os dois países um nível abaixo do grau de investimento.

 

Leos destacou que a Moodys se sente confortável ao elevar ratings durante uma crise, como fez com o Chile, mas sua equipe de analistas se reservará o julgamento até que veja mais dados econômicos sobre o impacto da crise. Os ratings para a dívida soberana do Brasil e do Peru têm perspectiva estável e normalmente a Moody's altera a perspectiva antes de mudar o rating.

 

Segundo o analista sênior da Moody's Gabriel Torres, o México está bem estabelecido três níveis acima do grau de investimento e tem amplo acesso aos mercados. O país, no entanto, é vulnerável por causa de sua dependência dos EUA, acrescentou. Torres indicou que a Moody's não tem pressa para mudar o rating do México.

 

Os países da América Latina estão se saindo melhor do que muitos outros na desaceleração global, particularmente do que a Europa do Leste. "Os ratings da dívida da região começaram em geral mais baixos do que os de outras áreas. De fato, a crise tem mostrado que alguns são mais fortes do que muitos pensavam", disse Torres. Enquanto isso, o impacto político da crise foi muito limitado e os sistemas bancários se mantiveram, em geral, sólidos, ele acrescentou.

 

No lado fiscal, alguns países da América Latina apresentavam superávits até serem atingidos pela crise e o declínio na renda não foi suficientemente dramático para atingir a maioria dos países, disse Torres. A Moody's prevê um déficit fiscal médio de 3% do Produto Interno Bruto em 2009.

 

No caso da Argentina, o país não pode ser rebaixado mais a menos que haja um default ou risco iminente de default. "Em geral, estamos confortáveis com nossos ratings na região", disse Leos.

Tudo o que sabemos sobre:
crise financeiragrau de investimento

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.