Brasil e Rússia iniciarão negociações comerciais

O Brasil e a Rússia devem constituir um grupo empresarial permanente para dar seguimento às negociações comerciais que serão abertas na próxima semana, durante a visita do presidente Fernando Henrique Cardoso àquele país. De acordo com o ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Sérgio Amaral, que integra a comitiva do presidente, o Brasil quer diversificar a pauta de exportações para a Rússia, na qual predominam produtos primários ou semimanufaturados de origem agroindustrial.Amaral informou que um grupo de 70 empresários brasileiros acompanhará a comitiva presidencial. Durante a visita, devem ser concluídos entendimentos em torno de um acordo fitossanitário entre os países, que pode facilitar as exportações brasileiras de carne bovina. Os dois governos discutirão, ainda, concessões comerciais da Rússia para o Brasil na área de exportações de carnes e de açúcar. Essas concessões constituem uma etapa necessária do processo de entrada da Rússia na Organização Mundial do Comércio (OMC).Amaral disse que, além de constituir um parceiro comercial expressivo, a Rússia pode associar-se ao Brasil em setores industriais importantes. Ele observou que, depois de passar por séria crise econômica em 1998, a Rússia vem apresentando notável recuperação. A economia cresceu 5,4% em 1999, 8% em 2000 e mais 5,5% em 2001. Apesar de sua importância política e estratégica no mundo, a Rússia tem uma economia menor do que a do Brasil. O Produto Interno Bruto (PIB), de US$ 250 bilhões, é cerca de metade do brasileiro.Donos de vastas reservas de petróleo e gás natural, os russos, entretanto, têm um desempenho exportador maior que o brasileiro. Em 2001, as vendas para o resto do mundo forma de US$ 103 bilhões, US$ 45 bilhões a mais do que as do Brasil. As importações ficaram em R$ 34 bilhões, o que resultou num saldo comercial de, aproximadamente, US$ 70 bilhões. "A Rússia tem um enorme potencial para ampliar suas compras do resto do mundo e queremos nos beneficiar disso", afirmou o ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior.ExpectativaO Brasil vem aumentando bastante as vendas para o mercado russo. No ano passado, as exportações cresceram 160%, chegando a US$ 1,1 bilhão. Apenas três produtos - açúcar, carnes e café solúvel - respondem por mais de 95% das vendas.O governo espera que, durante a visita do presidente, possa ser anunciada a liberação da venda de carnes brasileiras diretamente nos supermercados e merceariais. Hoje, são feitas operações apenas com atacadistas. O Brasil importou US$ 500 milhões de produtos russos em 2001, na maior parte, químicos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.