JOSÉ CRUZ/AGÊNCIA BRASIL
JOSÉ CRUZ/AGÊNCIA BRASIL

Brasil e Uruguai firmam acordo de livre-comércio no setor automotivo

Acordo prevê a exportação de veículos e autopeças sem impostos entre os dois países e exige critério mínimo de conteúdo regional

Lorenna Rodrigues, O Estado de S.Paulo

09 Dezembro 2015 | 14h10

BRASÍLIA - Brasil e Uruguai firmaram nesta quarta-feira, 9, um acordo automotivo de livre-comércio que prevê exportação de veículos e autopeças sem impostos entre os dois países. Para isso, os produtos devem cumprir um critério mínimo de conteúdo regional - 55% no caso dos bens vendidos pelo Brasil e 50% nos vendidos pelo Uruguai.

O ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Armando Monteiro, disse que a assinatura do acordo é um marco e favorece as relações regionais do Brasil. "O acordo tem regras de origem que contemplam as peculiaridades e estágio de desenvolvimento dos dois países", disse Monteiro.

O ministro das Relações Exteriores, Mauro Vieira, disse que o acordo é um passo de confiança em um processo mais amplo de integração regional. Na cerimônia de assinatura, representantes do governo uruguaio também comemoraram o entendimento. "Para o Uruguai, é um ato muito importante de integração das cadeias produtivas", disse o ministro das Relações Exteriores do país vizinho, Rodolfo Nin Novoa. 

O presidente da Associação Nacional de Veículos Automotores (Anfavea), Luis Moan, disse que o acordo é positivo para o setor, que deverá aumentar as exportações para o país. "O Uruguai tem um mercado com grande potencial de crescimento", afirmou.

Moan ressaltou que é o primeiro acordo de livre comércio brasileiro no setor em 10 anos e pode abrir um precedente para novos entendimentos do tipo. "A posição do governo brasileiro é pelo livre-comércio". A associação projeta vender 13 mil automóveis para o Uruguai neste ano, número que deve aumentar com o livre-comércio. 

Em agosto, os dois países fecharam um acordo provisório, que deixa de valer em 31 de dezembro. Na época, a cota que o Brasil poderia vender ao Uruguai sem pagar imposto de importação passou de 8.500 veículos e US$ 99,6 milhões em autopeças em um ano para 10.056 veículos e US$ 99,6 milhões em autopeças no segundo semestre deste ano. 

Atualmente, os veículos brasileiros ocupam 21% do mercado uruguaio, que tem ainda a China com 28%, Índia com 14% e México e Coreia do Sul com 11% cada. Em 2006, a participação dos carros brasileiros era de 60%.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.