Nilton Fukuda/Estadão
Nilton Fukuda/Estadão

Brasil enfrenta riscos de reversão de políticas com eleições, diz Moody's

Segundo agência de risco, suspeitas de corrupção de políticos e o desempenho econômico fraco dão combustível ao descontentamento com os governos atuais no Brasil e no México

Mateus Fagundes, O Estado de S.Paulo

01 Fevereiro 2018 | 18h16

O aumento do número de candidatos à Presidência que se opõem às reformas, como a da Previdência Social, fazem com que o Brasil enfrente um risco elevado de reversão dessas políticas, na avaliação da agência de classificação de risco Moody's. O País, no entanto, não está sozinho neste cenário. De acordo com a agência, o México enfrenta um problema similar, e a situação de ambos pode prejudicar a consolidação fiscal e os esforços dos governos pelas reformas estruturais.

+ Vice-líder do governo apela a Temer para adiar reforma da previdência

"Nesses casos (do Brasil e do México), características institucionais, tais como a composição do Congresso, influenciarão na capacidade dos novos governos para implementar suas respectivas agendas políticas", disse a Moody's, em comentário sobre o calendário eleitoral da América Latina em 2018.

Na visão da Moody's, as suspeitas de corrupção de políticos e o desempenho econômico fraco da região dão combustível ao descontentamento com os governos atuais.

"Sendo assim, houve um aumento de candidatos que se opõem a reformas antes das eleições presidenciais de 2018 no Brasil, Colômbia e México - alguns deles são políticos principiantes ou não são filiados a partidos tradicionais, que promovem políticas que tendem a estar em desacordo com aquelas defendidas pelos partidos estabelecidos", comentou a agência.

+ Por apoio, governo pode alterar regras de aposentadoria para servidores

A Moody's vê, então, que os governos eleitos este ano podem estar menos interessados em prosseguir "com programas ambiciosos de reformas".

"Isso reduzirá a previsibilidade das políticas, afetando negativamente a confiança das empresas e dos consumidores, assim como o investimento", comentou na noite, a vice-presidente da Moody's, Samar Maziad.

+ Para Padilha, 'batalha' da Previdência vai, no máximo, até o fim de fevereiro

Segundo a Moody's, a situação da Colômbia é um pouco diferente da do Brasil e do México. Apesar da crescente insatisfação com o governo do presidente Juan Manuel Santos, há o apoio do principal candidato a políticas fiscais prudentes. "Isso contribui para a continuidade de das políticas em meio à polarização política", afirmou a agência. 

 

Mais conteúdo sobre:
reforma previdenciária Moody's

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.