finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Brasil entra no radar das farmácias Walgreens e CVS

O Brasil entrou na mira das duas maiores cadeias americanas de farmácias, a Walgreens e a CVS. Segundo informações de mercado, as duas já teriam contratado bancos de investimento para negociar a compra de redes locais de farmácias. A Droga Raia, que está perto de vender parte de suas ações na Bolsa de Valores, e a Drogaria São Paulo - uma das maiores redes do País, mas com sérios problemas de sucessão - são apontadas como possíveis alvos dos grupos estrangeiros. Na CVS, um gigante com 6.200 lojas e receitas de quase US$ 80 bilhões por ano, há uma determinação para que nenhum executivo comente o assunto - a empresa tem capital aberto. Crescer engolindo redes menores sempre fez parte da sua estratégia, mas, até agora, ela nunca precisou sair dos Estados Unidos. O único investimento da companhia fora do país é a brasileira Vidalink, especializada em gerenciar programas de acesso a medicamentos de empresas. Essa não é a primeira vez que surgem rumores envolvendo os nomes de Walgreens e CVS - no ano passado, as Lojas Americanas apareceram como possível alvo de compra, segundo executivos do setor. A diferença é que, agora, as redes de farmácias brasileiras, embora ainda extremamente familiares, estão maiores, mais organizadas e profissionalizadas. E todas as mudanças são recentes. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.