Juros

E-Investidor: Esperado, novo corte da Selic deve acelerar troca da renda fixa por variável

Brasil escapará do pior, mas terá contração em 2009, diz OCDE

Organização revê projeção para economia do País, de expansão de 3% neste ano para queda de 0,3% no PIB

Nathália Ferreira, da Agência Estado,

31 de março de 2009 | 09h02

A Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) prevê que a economia brasileira escape do pior da crise global e tenha uma pequena contração este ano, graças às imediatas respostas fiscal e monetária à desaceleração da atividade. Em seu relatório de perspectiva econômica, publicado nesta terça-feira, 31, a OCDE observa que o País perdeu fôlego no fim do ano passado, por causa da queda na produção industrial.

 

Veja também:

especialDe olho nos sintomas da crise econômica 

especialDicionário da crise 

especialLições de 29

especialComo o mundo reage à crise 

 

A OCDE prevê que o Produto Interno Bruto (PIB) do País encolherá 0,3% em 2009, após crescimento de 5,1% em 2008. A nova estimativa mostra uma deterioração em relação a novembro do ano passado, quando a OCDE projetava crescimento de 3% para o Brasil este ano.

 

"O contínuo afrouxamento de política, aliado à melhora nas condições de crédito, vão apoiar a recuperação rumo ao fim do ano e em 2010", disse a entidade, formada por 30 países, que produzem mais da metade de toda a riqueza do mundo - o Brasil não faz parte da organização.

 

A organização reduziu ainda a estimativa de crescimento do Brasil em 2010 para 3,8%, de 4,5%. Além disso, o déficit fiscal do País deve aumentar para 2,2% do PIB em 2009, de 1,5% em 2008, enquanto a inflação deve desacelerar para 4,3%, de 5,9% no ano passado, segundo projeções da OCDE.

 

"Há um amplo espaço para afrouxamento monetário adicional até o meio do ano, porque o aumento da capacidade ociosa da produção está reduzindo as pressões inflacionárias, as expectativas de inflação estão caindo abaixo da meta central para o fim do ano e o repasse aos preços ao consumidor da desvalorização do câmbio que vem acontecendo desde meados de 2008 tem sido modesto", afirmou a entidade.

Tudo o que sabemos sobre:
Crise FinanceiraBrasilPIBOCDE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.