Lucas Lopes/Estadão
Lucas Lopes/Estadão

Brasil está entre países que mais perderam milionários em 2017

Cerca de 2 mil pessoas com mais de US$ 1 milhão deixaram o País no ano passado, segundo relatório

O Estado de S.Paulo

31 Agosto 2018 | 11h49

O Brasil é um dos países que mais perderam milionários no ano passado, de acordo com um relatório divulgado pelo AfrAsia Bank. Cerca de 2 mil pessoas com mais de US$ 1 milhão deixaram o País.

Entre os que mais perderam os habitantes muito ricos, o Brasil aparece em sétimo lugar, atrás da Rússia e da França. O relatório alerta que a debandada de milionários normalmente é "um péssimo sinal" e costuma revelar problemas sérios no País. 

Para a economista Luana Miranda, pesquisadora do Instituto Brasileiro de Economia (Ibre/FGV), esse movimento de saída do País reflete o grau de incertezas de investidores e consumidores com a recuperação da economia.

"A confiança está abalada. As incertezas que temos hoje em relação aos rumos do Brasil desde a saída da crise, em 2016, nos afetam na base. A taxa de câmbio está alta, o que já reflete na inflação, e o consumo ainda não se recuperou. Quem tem recursos para deixar o País acaba saindo mesmo."

O Brasil, diz ela, precisa arrumar a casa, fazer as reformas necessárias, reestruturar a questão fiscal, tornar o crédito mais barato, rever a estrutura da carga tributária. "Sem isso, a saída da recessão continuará sendo muito mais lenta que em crises anteriores."

Vida nova. Os brasileiros que deixaram o País em 2017 escolheram como nova casa, principalmente, Portugal, Estados Unidos e Espanha. O governo português é um dos que oferecem incentivos para atrair imigrantes ricos. Por lá, existe o chamado visto de residência gold, dado a quem investe ao menos € 500 mil em imóveis. Essas regras, no entanto, devem ser revistas em breve. De 2015 para 2017, o valor investido por brasileiros em imóveis no país quase dobrou, chegando a US$ 1,07 bilhão, segundo o Banco Central.

Insegurança, estilo de vida e a busca por oportunidades financeiras estão entre os principais motivos apontados pelos mais de 150 mil milionários que deixaram seus países de origem no ano passado. Eles também se mudaram em busca de uma educação de melhor qualidade para os filhos e de um sistema de saúde mais eficiente. 

O relatório aponta que há perto de 15,2 milhões de milionários no mundo, cerca de 584 mil com mais de US$ 10 milhões e 2,2 mil com patrimônio superior a US$ 1 bilhão. 

São Paulo está entre as sete cidades que mais perderam milionários, ao lado de Istambul (Turquia), Jacarta (Indonésia), Lagos (Nigéria) e Moscou. Mas entre as campeãs também há capitais de países ricos, como Londres e Paris.  / COLABOROU DOUGLAS GAVRAS 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.