Alex Silva/Estadão
Alex Silva/Estadão

Brasil está indo tão bem ou melhor do que no governo Lula, diz Meirelles

Em entrevista à Rádio Guaíba, o ministro da Fazenda disse que, nas eleições do ano que vem, aposta em um candidato que priorize uma agenda de mudanças modernizantes na economia do País

Elizabeth Lopes, Broadcast

13 Dezembro 2017 | 11h52

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, disse nesta quarta-feira. 13, em entrevista à Rádio Guaíba, do Rio Grande do Sul, apostar na vitória de um candidato, nas eleições presidenciais do ano que vem, que priorize uma agenda de mudanças modernizantes na economia brasileira, mudanças que gerem emprego, reduzam a inflação e juros, melhorem a qualidade de vida da população, foquem nas reformas necessárias que o País precisa e fujam das bandeiras populistas.

Indagado se seria este candidato, já que vem pregando pelo País, como condutor da economia brasileira, um discurso baseado nessas premissas, Meirelles voltou a dizer que tomará uma decisão a esse respeito apenas entre final de março e começo de abril do próximo ano. 

"Agora é foco total na economia, gosto de olhá-la com números e estamos na direção certa", destacou Meirelles na entrevista. Ao falar de suas ações para a criação empregos, manutenção da inflação e juros em níveis mais baixos e consolidação do crescimento, ele disse que a atual agenda econômica é liberal e vem contribuindo para reduzir o tamanho do Estado. "Com o estabelecimento do teto dos gastos públicos, o tamanho governo federal - que já foi superior a 20% - chegará a 15% do PIB." E disse que isso contribui para muitos avanços, inclusive a redução de impostos. "O brasileiro não aguenta pagar mais imposto; mas agora estamos no caminho certo, da modernização da economia."

Indagado sobre a possibilidade de disputar o Palácio do Planalto, tendo como concorrente o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), de quem foi presidente do Banco Central, Meirelles disse que mantém uma relação cordial e de amizade com o petista, que o convidou pra ser a autoridade monetária de seu governo. Apesar de manter uma relação de amizade com Lula, Meirelles pontuou que os dois têm pontos de vista diferentes. "Não concordo com a atual retórica de Lula", disse, reiterando que sob sua batuta, o País está voltando ao rumo certo, depois de enfrentar uma das maiores crises de sua história.

O ministro da Fazenda foi indagado também como seria uma eventual disputa entre "criatura e criador", no caso Lula, que o alçou à vida pública como presidente do BC de sua gestão. Meirelles refutou tal comparação e deixou claro que ao ser convidado para integrar a equipe do então governo petista, como presidente do Banco Central, já tinha uma carreira bem consolidada, inclusive a nível internacional. "E quando Lula me chamou, me deu total autonomia para resolver os problemas do País, o que foi bom para ele e para o governo dele, pois sempre respeitou minhas decisões no BC, mesmo não concordando às vezes." E alfinetou: "Agora o Brasil está indo tão bem ou melhor (do que na gestão de Lula)."

Sobre o debate que estará em pauta no pleito presidencial do ano que vem, Meirelles disse que "é simples": "Ou vamos manter a presente política que está dando certo, de crescimento e geração de emprego ou vamos voltar atrás em políticas recessivas e gerar desemprego." E citou que o governo Temer está sob fogo direto da oposição, "o que é normal, faz parte da democracia". Meirelles aproveitou a entrevista para alfinetar outro potencial concorrente, o deputado Jair Bolsonaro, dizendo que até o momento ele não esclareceu qual será o seu projeto econômico. "Não está clara linha econômica de Bolsonaro, espero que ele coloque isso com clareza."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.