Brasil está perto do pleno emprego, diz diretor do BC

O diretor de política econômica do Banco Central (BC), Carlos Hamilton Araújo, disse hoje que a recente evolução do mercado de trabalho aponta para uma situação que se aproxima do pleno emprego. "O Brasil vive um momento certamente muito próximo do que os economistas acham que é o pleno emprego", disse em audiência pública na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado.

FERNANDO NAKAGAWA, Agencia Estado

09 de novembro de 2011 | 12h11

Além do emprego sem sinais de deterioração, o diretor chamou atenção para o crescimento - classificado como "substancial" - da massa salarial nos últimos anos. "Isso repercute na confiança dos consumidores", disse. Mais confiantes, explica Araújo, brasileiros têm mais segurança para tomar crédito.

Araújo também disse que o mercado de crédito às pessoas físicas dá sinais de acomodação desde o fim do ano passado. "Depois da forte aceleração a partir de 2008, no fim de 2010 e início de 2011 começamos a observar acomodação do crédito pessoa física", disse.

Araújo falou que o BC não encontra nenhum sinal preocupante em relação à inadimplência dos empréstimos para pessoas físicas. Segundo ele, não há "nenhuma mudança grande" nos indicadores de calote. Durante a apresentação aos senadores, porém, o gráfico apresentado mostra que a inadimplência cresceu de um patamar pouco superior a 5,5% no fim do ano passado para os atuais 6,8%.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.