Brasil está preparado para evitar desaceleração mundial, diz 'Economist'

Para revista, economia incorporou elementos que protegem o país.

BBC Brasil, BBC

18 de janeiro de 2008 | 07h25

A revista britânica The Economist pública em sua mais recente edição um artigo em que diz que o Brasil está numa situação mais tranqüila para enfrentar um desaquecimento da economia mundial, desencadeado por uma possível recessão nos Estados Unidos.A revista adverte, no entanto, que o país "está longe de estar imune ao que acontece no mundo" e parece estar se encaminhando para uma fase "menos benigna" em termos econômicos.O artigo, intitulado Desta vez, será tudo diferente, diz que há pelo menos três fatores que favorecem o país num cenário de desaquecimento mundial - e que estavam ausentes quando ocorreram crises econômicas em 1998, 2001 e 2005.Segundo a Economist, desta vez, o Brasil tem uma demanda de consumo doméstica forte, está mais integrado com os mercados mundiais, e depende menos do comércio com os Estados Unidos, e tem, além de uma taxa de câmbio flutuante, "um Banco Central que age de forma independente e transparente, publicando atas de suas reuniões com agilidade em seu site na internet".Além disso, a revista destaca o fato de o país ter acabado com sua dívida em dólares. "No passado, quando a moeda (brasileira) se desvalorizava, a dívida explodia, causando mais problemas."Hoje, "o investimento estrangeiro direto é forte, e o Brasil agora tem mais dólares do que deve, um feliz desdobramento", acrescenta a revista.O tom otimista prossegue até a conclusão do artigo: "se o Brasil for capaz de sustentar um crescimento firme sem ser desviado de seu caminho por eventos em outros lugares, o país vai parecer bem diferente dentro de dez anos", diz a Economist.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.