finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Brasil está pronto para crescer entre 5% e 6% a partir de 2007, diz Mantega

O governo conta com o aumento do consumo, impulsionado pelo crédito barato, para garantir um crescimento econômico de 4% em 2006 e de 5% a 6% num eventual segundo governo de Luiz Inácio Lula da Silva. "Está havendo, no País, uma reativação do crédito, as empresas estão se preparando para o final de ano que será muito melhor que o ano passado", disse o ministro da Fazenda, Guido Mantega, em entrevista à Radiobrás, acrescentando que é esperado um aumento nas vendas da ordem de 10%. "As empresas estão esperando este aumento de consumo que vai ativar a economia brasileira neste último trimestre". A maior parte dos bancos e consultorias econômicas aposta num crescimento mais modesto este ano, na casa dos 3%.O ministro da Fazenda comentou que, por causa da queda da inflação, as prestações do financiamento para a compra de bens de valor elevado estão acessíveis. "Tem gente vendendo automóveis com um real de entrada", comemorou. "O cidadão hoje não precisa ter alta renda para adquirir um bem de consumo durável." Segundo Mantega, a economia brasileira está organizada, com as contas públicas e o balanço de pagamentos equilibrados. Por isso, o Brasil tornou-se "confiável" para os agentes financeiros e foi possível ter financiamentos de longo prazo, com prestações pequenas. "Então, é mais fácil comprar automóvel, eletroeletrônico e até casa", ressaltou. "O crédito habitacional está crescendo e a indústria de construção civil está crescendo como não crescia nos últimos 20 anos." Mantega admitiu que, num segundo governo, será necessário fazer uma reforma trabalhista. "A reforma trabalhista tem que ser feita, mas não dentro desse espírito liberal e ortodoxo que chegaram a cogitar, tirando todos os direitos do trabalhador, como não pagar o 13.º, acabar com as férias etc", disse. "Acho que o que se pode fazer é simplificar e modernizar."Já a reforma da Previdência, disse o ministro, é desnecessária no momento. "Como está aumentando o emprego no país, como está aumentando a formalização da mão-de-obra, temos mais trabalhadores pagando FGTS (o Fundo de Garantia do Tempo de Serviço), pagando INSS, isso significa que a arrecadação está crescendo e, por enquanto, não vejo a necessidade de alguma medida mais drástica na área da Previdência."O ministro reafirmou ainda que pretende cortar parcialmente a carga tributária e explicou que as novas desonerações não desequilibrarão as contas públicas porque a economia estará crescendo e novos contribuintes serão agregados à base. Mantega disse, ainda, que o redutor nos gastos correntes do governo será aplicado em 2007 desde que isso não prejudique os programas sociais.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.