Brasil exporta trigo pela primeira vez na história

As cooperativas do Rio Grande do Sul e do Paraná se preparam para fazer as primeiras exportações de trigo brasileiro. O Rio Grande do Sul vai exportar 100 mil toneladas do cereal em dois carregamentos, de 50 mil toneladas cada, que serão embarcados no porto de Rio Grande (RS) em dezembro. Dois fatores principais explicam a exportação: a alta qualidade do trigo do Sul do País neste ano e a safra recorde do cereal, prevista em até 5,5 milhões de toneladas. A Cooperativa Regional Tritícola Serrana Ltda (Cotrijuí) terá a maior participação nos embarques. O corretor Jairo Faccio, da JF Corretora, que originou a venda, informou que 13 cooperativas e cerealistas participarão do primeiro embarque e 15 do segundo. "Não posso dizer o preço nem o destino", ressalvou, citando que as cargas serão enviadas para a Europa. Faccio adiantou que há uma terceira operação "90% fechada" com esse pool de embarcadores, também tendo a Europa como destino.Nas duas últimas semanas, cooperativas gaúchas paralisaram a comercialização do cereal alegando que a indústria nacional oferecia preços abaixo do mínimo fixado pelo governo nesta safra, de R$ 400 a tonelada.Preços em baixa no mercado internoNo Paraná, que com o Rio Grande do Sul responde por 85% da produção nacional, os preços também estão aquém da expectativa dos produtores e a comercialização da safra - quase 90% colhida - segue lenta. Os paranaenses foram os primeiros a anunciar, há duas semanas, intenção de exportar trigo se o mercado interno não sinalizasse melhora nos preços. No mercado, a informação é de que produtores paranaenses já fecharam contratos para exportar trigo novo, mas nenhuma cooperativa confirmou a venda até o momento."Os preços pagos hoje ao produtor - R$ 400 a R$ 410/t - viabilizam a exportação", diz Flávio Turra, assessor técnico da Organização das Cooperativas do Paraná. Segundo ele, a estratégia do setor produtivo é concretizar um primeiro negócio no exterior e avaliar o impacto sobre os preços internos. "Se não houver reação, seguiremos exportando", diz.O presidente da Federação das Cooperativas Agropecuárias do Rio Grande do Sul (Fecoagro), Rui Polidoro, diz que essa será também a posição do produtor gaúcho. "O trigo que está sendo colhido é de excelente qualidade e tem mercado no exterior", enfatiza Polidoro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.