Brasil faz "protecionismo às avessas" no setor de petróleo

O Brasil faz um "protecionismo às avessas" no setor de petróleo, na opinião do diretor-geral da Organização Nacional da Indústria do Petróleo (Onip), Eduardo Rappel. A legislação para as compras de equipamentos para o setor, chamada de Repetro, prevê a isenção de ICMS na importação de produtos, mas não isenta a indústria nacional, explicou o executivo. "A Halliburton foi buscar na Holanda o aço para construir no Brasil uma plataforma para os campos de Barracuda e Caratinga, na Bacia de Campos. A Usiminas foi convidada para fornecer, mas não apresentou um bom preço por causa do ICMS", contou Rappel, durante palestra no seminário Petróleo e Gás: Desafios e Oportunidades, na Fundação Getúlio Vargas. Governo e indústria já tentaram a isenção da indústria nacional, mas esbarraram na resistência de alguns Estados. Segundo Rappel, o setor de petróleo e gás brasileiro vai demandar investimentos de US$ 100 bilhões até 2010. Rappel calculou os custos necessários para a construção de todas as plataformas, refinarias, térmicas e dutos previstos pelas empresas com atuação no País, além das atividades de exploração e produção de petróleo e gás. Só a Petrobras será responsável por US$ 65 bilhões, diz Rappel.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.