Estadão
Estadão

Brasil fecha 81 mil vagas de emprego em janeiro, o pior resultado para o mês desde 2009

Depois de oito meses perdendo vagas, a indústria de transformação voltou a contratar, mas comércio e serviços tiveram saldos negativos na geração de emprego em janeiro Caged

Economia & Negócios

27 Fevereiro 2015 | 10h20

Após a taxa de desemprego ter aumentado em janeiro, o mercado de trabalho mostrou mais um resultado negativo. Em janeiro, o País fechou 81.774 vagas de emprego formal, segundo dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged). A geração de empregos foi a menor para o mês desde 2009, quando o saldo de foi de -101.748. 

Em dezembro de 2014, o saldo já havia sido negativo, em 555.508. Em todo o ano de 2014, houve criação de 396.993 postos, a menor geração de empregos formais desde 2002.

Em janeiro, o País registrou 1.600.94 admissões e 1.681.868 desligamentos. O corte de vagas em janeiro veio maior do que a previsão de analistas ouvidos pela Agência Estado, que esperam uma baixa de 60 mil empregos. Foi maior também que o resultado de janeiro de 2014, quando os cortes somaram 62.448.

Diferentemente de outras divulgações, desta vez o governo não fez uma coletiva de imprensa. Em nota divulgada pela assessoria de imprensa, o ministro do Trabalho e Emprego, Manoel Dias, afirmou que há motivos para manter o otimismo com relação à geração de empregos em 2015. 

“As políticas que temos desenvolvido, na área social, com programas como o Minha Casa Minha Vida e o Bolsa Família, não serão interrompidas. Os investimentos em infraestrutura não serão interrompidos e muitos dos investimentos previstos por empresas privadas não serão interrompidos. Isso vai continuar ajudando o País e gerando empregos”, argumentou. Dias lembrou que, além disso, os ajustes que estão sendo feitos nas contas públicas também terão impacto positivo no País. 

Setores. Depois de oito meses perdendo vagas, a indústria de transformação voltou a contratar no mês de janeiro. Entre os destaques estão a indústria calçadista, com 7.554 novos empregos, mecânica, com 3.968, a têxtil, com 3.451 e a de borracha, com 3.292 empregos. 

Na divisão por setores, o comércio teve o menor saldo. O setor fechou 97.800 vagas em janeiro, enquanto serviços teve corte de 7.141 postos. A agricultura gerou 9.428 vagas. (Com informações da Agência Estado)

Mais conteúdo sobre:
Caged emprego desemprego

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.