Nilton Fukuda/Estadão
Nilton Fukuda/Estadão

Brasil perde quase 1 milhão de empregos com carteira em 2015

Em novembro, o saldo entre contratações e demissões ficou negativo em 130,6 mil, bem abaixo do resultado um ano antes, quando foram criadas 8,3 mil vagas

Bernardo Caram e Célia Froufe, O Estado de S.Paulo

18 de dezembro de 2015 | 12h16

No mês de novembro, o Brasil fechou 130.629 vagas formais de emprego, segundo informou o Ministério do Trabalho e Previdência Social, o pior resultado para o mês da série histórica iniciada em 1992. Os dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) são fruto de 1.179.079 admissões e 1.309.708 demissões.

O resultado foi muito inferior ao registrado em novembro do ano passado, quando o dado ficou positivo em 8.381 vagas pela série sem ajuste. No acumulado dos últimos 12 meses, o País fechou 1.527.463 vagas, com ajuste, ou seja, incluindo informações passadas pelas empresas fora do prazo. Desde janeiro deste ano, o saldo de postos fechados é de 945.363, também com ajuste.

A indústria de transformação foi a responsável pelo maior número de vagas formais de trabalho fechadas em novembro. No total, foram encerrados 77.341 postos no setor.

O segundo maior responsável por fechamento de vagas no mês foi a construção civil, importante termômetro da atividade econômica. Em novembro, foram encerradas 55.585 vagas. A maioria dos setores demitiu mais que contratou no mês passado. Nos serviços, foram encerradas 23.312 vagas. Na agricultura, foram fechados 21.969 postos. A administração pública teve saldo negativo de 2.142, o setor extrativo mineral teve menos 1.291 vagas e os serviços industriais de utilidade pública ficaram com menos 1.581 postos.

O número só não foi pior pela expansão de vagas no comércio, que tradicionalmente aumenta as contratações para as festas de fim de ano. No mês passado, o setor apresentou um saldo positivo de 52.592 vagas.

O resultado ficou dentro das expectativas do mercado para o mês passado. Levantamento do AE Projeções apurado com 21 instituições apontava que seriam fechadas entre 70.000 e 227.000 vagas, com mediana indicando o encerramento de 154.000 postos, na série sem ajuste sazonal.

Mais conteúdo sobre:
Emprego

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.