Brasil fica mais perto de entrar para a OCDE

Após uma negociação relâmpago para os padrões diplomáticos, o País assinará um acordo em Paris para aprofundar o relacionamento com a entidade

FERNANDO NAKAGAWA , O Estado de S.Paulo

02 de junho de 2015 | 02h07

LONDRES - O Brasil dará nesta quarta-feira, 3, um importante passo para uma eventual entrada na Organização para o Desenvolvimento Econômico e Social (OCDE). Após uma negociação relâmpago para os padrões diplomáticos, o País assinará um acordo em Paris para aprofundar o relacionamento com a entidade, que reúne as principais economias ricas do mundo. Isso abrirá caminho para uma futura adesão formal ao organismo. Um dos argumentos de quem apoia a iniciativa é que a aproximação ajudará no crescimento econômico.

Com a presença dos ministros de Relações Exteriores, Mauro Vieira, da Fazenda, Joaquim Levy, e do secretário-geral da OCDE, Angel Gurría, o Brasil assinará no fim da tarde de amanhã, durante o fórum anual da entidade, o "Acordo Marco de Cooperação com a OCDE". O texto que aprofundará o relacionamento começou a ser discutido oficialmente em abril, segundo informou ao Broadcast um integrante do governo que acompanha o tema, mas pediu anonimato.

O documento vai estabelecer a base jurídica para o relacionamento entre o País e a OCDE e prevê, entre outros temas, detalhes sobre como serão feitas futuras contribuições financeiras do governo brasileiro à entidade. Na esfera econômica e diplomática, os dois meses de debate para o texto final são exaltados pela rapidez. Para diplomatas, a assinatura do acordo é entendida como o mais importante passo dado pelo Brasil rumo à futura adesão. Para a equipe econômica, há expectativa de que seja entendida como um movimento "amigável ao mercado".

Grupo dos ricos. Apesar do interesse da OCDE em atrair o Brasil, certas áreas da diplomacia e do governo brasileiro mantinham distância da entidade, entre outras razões, pela leitura de que a organização era um "grupo dos ricos".

Mesmo que com essa cautela, o Brasil se aproximou. Na educação, por exemplo, o País é o único não membro da OCDE no conselho do Programa Internacional de Avaliação de Alunos, o Pisa. Em Brasília, o principal argumento para a aproximação é que a OCDE está alinhada com o discurso de que o Brasil precisa melhorar o ambiente de negócios. A entidade estuda e incentiva políticas para o aumento da eficiência dos gastos públicos, da produtividade e da qualificação dos trabalhadores.

Tudo o que sabemos sobre:
O Estado de S. PauloOCDE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.